Olhar Conceito

Domingo, 19 de setembro de 2021

Notícias / Literatura

relato

Advogada cuiabana escreve livro sobre experiência de pai com Alzheimer: "O mal que levou você de mim"

Da Redação - Isabela Mercuri

28 Jul 2018 - 09:03

Foto: Arquivo Pessoal

Daniela no lançamento do livro

Daniela no lançamento do livro

A dor de perder o pai ‘aos poucos’ para o Alzheimer, doença neurodegenerativa sem cura, deu à advogada mato-grossense Daniela Yegros, 43, um incentivo para escrever. Ou talvez tenha sido a escrita que lhe deu forças para enfrentar a dor. Em abril deste ano, ela lançou ‘Alzheimer – o mal que levou você de mim’, seu primeiro livro, após passar cinco anos convivendo com a doença diariamente.

Leia também:
Professor da UFRJ traz palestra sobre a origem das lutas para Cuiabá
 
A descoberta ‘oficial’ do diagnóstico foi em 2012. Mas três anos antes, ela já percebia os sinais. “Por eu ser a filha mais próxima - tinha dois irmãos – eu percebi que papai perdia as coisas, esquecendo-se onde tinha deixado, esquecia nomes de pessoas e lugares, perdia-se na cidade, dirigindo... Comentei com meus irmãos à época sobre estes esquecimentos, mas eles diziam que poderia ser devido a um trauma recente - meu pai fora vítima de um estelionatário –, achavam que poderia ser um stress emocional. Meu pai sempre fora uma pessoa fechada e não era muito de externar suas emoções e sentimentos”, contou a advogada ao Olhar Conceito.
 
Em 2009, Daniela perdeu um dos irmãos em decorrência de insuficiência renal crônica. A partir daí, os sinais ficaram ainda mais visíveis. Até mesmo seu pai percebeu, e procurou, sozinho, um neurologista. A família só soube da desconfiança quando o médico pediu que ele levasse um familiar na próxima consulta.
 
Três médicos, e muitos exames depois, veio o resultado taxativo: Alzheimer. “Eu fiquei muito triste, sem chão. Já desconfiava que se tratava de uma doença neurológica grave e progressiva, pois via os seus esquecimentos dele, paulatinamente aumentando, agravando-se...  Eu procurei informar-me sobre todas as possíveis doenças. Mas, mesmo assim, o ouvir este temível diagnóstico deixou-me extremamente devastada”, lembra Daniela. Seus pais, por outro lado, não aceitaram e nem acreditaram no que estavam vivendo.
 
A partir daí, as debilitações foram aumentando. Foi neste período que Daniela começou a escrever. Escreveu durante cerca de um ano e meio, mas não continuamente. “Houve períodos em que não consegui escrever, devido ao tempo. Meus filhos, à época, estavam muito pequenos... meu trabalho, [e ainda estava] ajudando nos cuidados do papai... Mesmo ele assistido por cuidadoras particulares e técnicas de enfermagem da home care, ele já estava na fase terminal, [e eu ficava] auxiliando mamãe e apoiando. Sem contar que no começo de 2017, papai ficou 107 dias na UTI e eu não escrevi neste período. Depois que ele faleceu (novembro/2017), terminei o livro”.
 
Segundo a advogada, três razões a motivaram a escrever o livro. A primeira delas, para homenagear o pai, “pois sempre foi um homem admirável, muito inteligente e de quem sempre me orgulhei como pessoa e como ser humano que era. O tratar as pessoas, e a importância de demonstrar aos filhos que valia a pena ser bom e fazer o bem”.
 
Além disso, quis também ajudar outras pessoas que passassem pela mesma situação. Aconselhá-las a procurar ajuda médica a partir da primeira suspeita, e também dar dicas práticas, sobre como, por exemplo, utilizar lençóis descartáveis, cadeira de banho e proteção de cama para evitar quedas. “Existe no mercado muita literatura médica sobre a doença, mas quase não se fala do lado dos familiares do doente, suas dores, seus temores, suas dúvidas”, explica.
 
‘Alzheimer, o mal que levou você de mim’ foi o primeiro livro publicado por Daniela. No entanto, a escrita já estava em sua vida desde os 16 anos. A advogada tem um acervo de 120 poesias escritas, e já participou de vários concursos literários.

Para conseguir publicar a obra, ela contou com o apoio da Editora Carlini e Caniato. Seu lançamento aconteceu no Cine Teatro de Cuiabá, e vinte dias depois, ela já teve que fazer uma nova tiragem.

Para aqueles que passam pela dolorida situação pela qual ela passou, Daniela aconselha: “Não é fácil ver o sofrimento de quem amamos, mas que é importante estarmos juntos, em família, apoiando um ao outro, auxiliando, doando o seu tempo. É o que eu costumo dizer: construindo paredes de amor, para sustentar a dor... porque depois o que sobra é a saudade, saudade de um tempo que não volta mais”, finaliza.

Serviço

É possível comprar o livro nas redes sociais de Daniela (FAN PAGE e INSTAGRAM) ou no site da Editora (AQUI).

O livro também está disponível em:

Editora Tanta Tinta/Carlini e Caniato- Rua N. Sra.de Santana, 139, sala 3 – Centro Sul, Cuiabá/MT,telefone (65) 3023 – 5714 (próximo ao Museu do Morro da Caixa d’Água Velha;

Lojinha Mãe Margarida - Igreja São Gonçalo do Porto, localizada na Avenida XV de novembro, nº 664, Centro Sul, Cuiabá/MT;

Supera – Ginastica para o cérebro – Unidade Quilombo : Rua São Bento, nº 170, Quilombo – Cuiabá/MT
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet