Olhar Conceito

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Artes visuais

Exposição em homenagem ao premiado artista plástico João Pedro Arruda abre as portas no MACP

Da Redação - Isabela Mercuri

09 Jul 2019 - 14:24

Foto: Reprodução

Exposição em homenagem ao premiado artista plástico João Pedro Arruda abre as portas no MACP
A abertura da exposição ‘Da sonoridade à cor – O que sabemos de João Pedro Arruda?’ acontece nesta quarta-feira (10), a partir das 20h, no Museu de Arte e Cultura Popular (MACP) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). A mostra traz telas, desenhos e documentos inéditos, além de um documentário e trilhas musicais que inspiravam o artista.

Leia também:
Artistas expõem em mostra itinerante por diversos pontos de Alta Floresta

Localizada na sala Aline Figueiredo, a exposição permanece aberta ao público até o dia 30 de agosto. A curadoria é de Jeff Keese, Ruth Albernaz, Rubens Florêncio, Thania Arruda e Luis Marchetti.

“Concerto em memória”, o documentário que será apresentado, contém depoimentos de familiares e amigos, integrando música, audiovisual, jornalismo e artes plásticas. Seu objetivo é apresentar aos visitantes um histórico do artista contado por familiares, ex-aluno e amigos. Os depoimentos levam em conta momentos domésticos, situações familiares e curiosidades sobre João Pedro.

A obra tem 70 minutos de duração, e é dividida em depoimentos intercalados por músicas resgatadas do acervo de LPs do artista, apresentadas em um toca-discos, e algumas capas de discos.  Sua execução tem também a ideia de apresentar o artista a novas gerações e sensibilizar os colecionadores, proprietários de seus desenhos, fotografias e telas sobre a importância da conservação e recuperação destas obras. Ele será exibido com repetição permanente na exposição.

João Pedro Arruda nasceu em Cuiabá em 1935, e começou a pintar as paredes e chão de sua casa aos dez anos, usando carvão, guache e alguma tinta e óleo. Em 1951, mudou-se com a família para Curitiba, onde frequentou a Escola de Música e Belas Artes do Paraná e o Ateliê do professor e pintor ítalo-brasileiro Guido Pellegrino Viaro. 

Entre 1957 e 1960, estudou na Écolle Nationale Supérieuri des Beaux-arts, em Paris, na França, e voltou ao Brasil para realizar sua primeira exposição individual na Biblioteca do Paraná. Na mesma época, apresentou sua obra no Teatro Nacional de Brasília a convite da então Primeira-dama, Eloá Quadros. 

Em 1962, após morar por um período com o pai - Nilo Ponce de Arruda, em Poconé - e encantar-se com a natureza pantaneira que incorpora em suas telas, começou a pintar retratos em Cuiabá, e a partir de 1966 começou a participar de diversas exposições em Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Vitória, Manaus, Blumenau, Brasília e Rio de Janeiro, além de Salões de Arte em Piracicaba, Campinas e Ribeirão Preto. 

O artista atuou também como fotógrafo e colunista dos jornais “Social-Democrata” e “Estado de Mato Grosso” entre as décadas de 1960 a 1990. Em 1994, foi premiado pelo Salão Jovem Arte de Mato Grosso e expôs em Ferrara, na Itália, onde recebeu o Prêmio Ricordo “Don Verità”.

Em 2003 e 2004, participou do projeto Panorama das Artes Plásticas em Mato Grosso no Século XX. Em 2013, foi homenageado pelo Salão de Artes de Mato Grosso com a exposição – “João Pedro Arruda – o mito das artes em Mato Grosso”. O artista faleceu neste mesmo ano, em 07 de julho.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet