Olhar Conceito

Terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Notícias / Tecnologia

Empresas que não cumprirem Lei Geral de Proteção de Dados poderão pagar multa de até R$ 50 mil

Da Redação - Vinicius Mendes

25 Jul 2019 - 08:10

Foto: Shutterstock

Empresas que não cumprirem Lei Geral de Proteção de Dados poderão pagar multa de até R$ 50 mil
A Lei Geral de Proteção dos Dados Pessoais (PGPD) entre em vigor em agosto de 2020, mas órgãos públicos e empresas que lidam com dados pessoais já se preocupam com a adaptação. Quem não se adequar às novas normas poderá ser penalizado com multa de até R$ 50 mil.
 
Leia mais:
Empresa apresenta solução para que órgãos privados e públicos se adaptem a mudança de Lei de Proteção de Dados
 
As penalidades para o descumprimento da LGPD serão severas, quando comprovado. Os órgãos públicos ou privados poderão receber: Advertência, com indicação de prazo para adoção de medidas corretivas; Multa simples, de até 2% do faturamento líquido da pessoa jurídica de direito privado, grupo ou conglomerado no Brasil no seu último exercício, limitada, no total, a R$ 50.000.000,00 por infração; Multa diária, de acordo com a gravidade; Divulgação da infração após devidamente apurada e confirmada a sua ocorrência, para que os usuários saibam que a empresa está cometendo infrações; Bloqueio dos dados pessoais envolvidos na infração até a sua regularização; e Eliminação dos dados pessoais envolvidos na infração.
 
A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) é órgão responsável por acompanhar e aplicar as sanções da LGPD. Ela foi criada em 28 de dezembro de 2018 e é vinculada à Presidência da República, tendo autonomia técnica.
 
É ela que garantirá as punições em caso de vazamento de dados pessoais e mal uso das informações. Composta por um conselho formado por 5 diretores, nomeados pelo presidente.

Seu mandato será de 4 anos e só poderão deixar o cargo "em virtude de renúncia, condenação judicial transitada em julgado ou pena de demissão decorrente de processo administrativo disciplinar”. Enquanto a LGPD não entra em vigor outros órgãos ficam responsáveis, como a Comissão de Proteção de Dados Pessoas do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.
 
Tratamento de dados
 
Os dados coletados pelas empresas podem passar por um processo de tratamento. Esse tratamento consiste em monitorar o comportamento dos usuários e coletar, minerar, filtrar, organizar e analisar dados para depois combiná-los e empregá-los de diversas formas. Eles são utilizados para guiar tomadas de decisão, criar anúncios para públicos segmentados, além de criar soluções inteligentes e personalizadas de acordo com os dados colhidos.
 
Ou seja, os dados são usados para auxiliar como suporte para as empresas enfrentarem os desafios do mercado.
 
Com a LGPD, as empresas terão que tornar transparente a finalidade dos dados coletados e os usuários deverão consentir o seu uso, com exceção nas hipóteses indispensáveis previstas na Lei 13.709/2018. Em caso de descumprimento, penalidades serão aplicadas.
 
Serviço
 
A SERVDIGITAL juntamente com seus parceiros de tecnologia está apta a oferecer um conjunto das melhores soluções e práticas na segurança da informação para melhor atender aos desafios que a Lei de Proteção de Dados Pessoais impõe.
Saiba mais em https://www.servdigital.com.br/segurancainformacao.html
 
Sérgio Kojima é co-fundador da ServDigital, especialista em segurança da informação.
Web-site: www.servdigital.com.br
Telefone: (65) 2127-6030
E-mail: atendimento@servdigital.com.br

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet