Olhar Conceito

Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Notícias | Política Cultural

eventos gratuitos

Homenagem a Tereza de Benguela tem roda de conversa e ciclo de formação em Cuiabá

Foto: Reprodução

Homenagem a Tereza de Benguela tem roda de conversa e ciclo de formação em Cuiabá
O Dia Internacional da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha, em homenagem a Tereza de Benguela, celebrado em 25 de julho, começa com programação extensa nesta sexta-feira (21), em Cuiabá. 

Para iniciar as atividades, no dia 21 de julho, a partir das 17h, será realizado um Ciclo de Formação - Mulheres na Capoeira, no auditório do Museu da Imagem e do Som de Cuiabá- (Misc).

Leia também
Retorno de festival no Teatro da UFMT pretende resgatar e movimentar cinema mato-grossense


Dando seguimento à programação, na próxima terça-feira (25), Dia Internacional da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha, a partir das 19h, será realizada uma Roda de Conversa, sobre a Rota da Ancestralidade, com a jornalista Bruna Maciel.

O evento segue com ações no fim de semana (22 e 23), sempre das 8h às 20h. Para encerrar, no sábado (29), a partir das 7h, haverá uma caminhada, sendo o ponto de concentração dos diversos segmentos religiosos e culturais, em frente à Igreja do Rosário e São Benedito.

Em seguida, a partir das 9h, haverá uma nova roda de conversa, com especialistas, para debater o assunto, avanços, melhorias e o que ainda precisa ser ajustado como forma de efetivar as políticas públicas voltadas a esse público.  

Histórico

A data, 25 de julho, foi instituída em 1992, no 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, na República Americana, que tinha como objetivo dar visibilidade à luta das mulheres negras contra o racismo, exploração, machismo e misoginia.

No Brasil, a data também tem o propósito de dar visibilidade para o papel da mulher negra, através da figura de Tereza de Benguela que foi a líder do Quilombo Quariterê e, por 20 anos, liderou a resistência contra o governo escravista e coordenou as atividades econômicas e políticas do Quilombo.

Tereza de Benguela é, assim como outras heroínas negras, um dos nomes esquecidos pela historiografia nacional, que, nos últimos anos, devido ao engajamento do movimento de mulheres negras e à pesquisa ou ao resgate de documentos até então não devidamente estudados, na busca de recontar a história nacional e multiplicar as narrativas que revelam a formação sociopolítica brasileira. objetivo de celebrar a data

Símbolo de resistência e liderança na luta contra a escravização, Tereza de Benguela, ou ‘‘Rainha Tereza”, viveu no século 18 e assumiu a liderança do quilombo chefiado pelo marido, José Piolho, depois que ele foi assassinado, em Mato Grosso. Tereza apoiou a luta da comunidade negra e indígena contra a escravidão por duas décadas.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet