Olhar Conceito

Sábado, 25 de maio de 2024

Notícias | Perfil

DJ MULUC

Tecnobrega, tecnomelody, Calypso e carimbó: paraense aposta em sets regionais nas noites cuiabanas

Foto: Reprodução

Tecnobrega, tecnomelody, Calypso e carimbó: paraense aposta em sets regionais nas noites cuiabanas
Quando morava em uma comunidade ribeirinha de Santarém, no Pará, as músicas regionais como tecnobrega, tecnomelody e carimbó já tocavam no rádio de pilha do biólogo Alecsandro Oliveira Júnior, de 28 anos. Como o local não tinha energia elétrica na época, a música era responsável por transportar Alecsandro para outros universos. 


Leia também 
Confeiteira cuiabana cria ovo de Páscoa inspirado em doce argentino que virou febre no Brasil


Na mudança para Cuiabá em 2016, para cursar biologia na UFMT, os ritmos que nasceram nas periferias do Pará voltaram a ser importantes na jornada que transformou Alecsandro no DJ Muluc. Hoje ele se apresenta em bares e festas da cidade com o set composto por estilos musicais do Norte. 

“Desde muito cedo gostei de música, acho que é o tipo de arte que mais consumo atualmente. Antes do meu contato com a televisão, meu primeiro contato foi com a música através das rádios. No Pará, especificamente, com a cultura do Calypso, carimbó, tecnobrega, tecnomelody, o brega de modo geral, que era o que tocava nas rádios. Acho que a música foi meu primeiro contato com algo relacionado a arte”. 

Até 2022, a música funcionava apenas como refúgio para o DJ que, apesar de imaginar possibilidades, ainda não tinha se aprofundado no estudo da teoria musical. Foi quando começou a trabalhar no Rebu Bar, no bairro Boa Esperança, em Cuiabá, que o paraense foi incentivado a montar o primeiro set e se apresentar em uma das noites do estabelecimento. 

“Fiz amizade com a Larissa, uma das coisas que uniu a gente foi essa relação com a música. Por ser do Nordeste, ela conhece vários artistas, as regiões Norte e Nordeste conectadas, artistas do Norte fazendo sucesso no Nordeste, do Nordeste fazendo sucesso no Norte. Ela fez a proposta de eu apresentar um set, decidi tentar”. 

Ele começou se apresentando apenas no bar, mas o set tecnobrega tem feito sucesso entre os cuiabanos. “A galera foi gostando e chegando em outras festas temáticas que envolviam ou não as músicas tradicionais, até mesmo as festas eletrônicas, porque temos que lembrar que o tecnobrega é um estilo eletrônico, então foram surgindo outras oportunidades”. 

Além das músicas que ouvia no rádio de pilha quando morava na comunidade ribeirinha de Santarém, Muluc também tem o pai, o cantor Roberto Shamanti, como influência musical, que é um dos cantores da música de rezo no Norte do Brasil. 

“Atualmente ele é cantor de música de rezo, é um estilo mais espiritual, mistura várias culturas, desde batuques de candomblé e umbanda até o estilo folclórico da amazônia de fazer música, mas é cantada e voltada para espiritualidade. Antes ele cantava MPB, era artista de MPB há mais de 28 anos na Amazônia, minha referência na família é ele”. 



Músicas da periferia 

Em Cuiabá, Muluc não teve dificuldade para se adaptar ao clima ou à culinária, já que é fã do pequi e da farofa de banana, além de ter encontrado pontos de semelhança com sua própria cultura na música regional cuiabana. Quando chegou na cidade, o som do lambadão e do rasqueado chamaram atenção do paraense. 

“Quando chego em Cuiabá e me deparo com os estilos daqui, que são muito próprios e muito a cara da periferia, como lambadão, e rasqueado, que são oriundos da periferia e se assemelham na sonoridade, o próprio carimbó se assemelha muito aos estilos daqui, acho que representa a essência do povo da periferia, a população ribeirinha”. 

Para Muluc, tocar o set de música paraense em Cuiabá é mais que um projeto musical e tem sido uma forma de levar a cultura do Norte para outros lugares do Brasil. Ele afirma que o tecnobrega é uma das possibilidades de consumo de cultura na periferia. 

“Significa muito da minha origem, principalmente por ser da periferia do Pará. O tecnobrega ainda não é visto como música mesmo, pensando nele como uma música periférica, vejo que representa a periferia do Norte através da música, no sentido do ‘corre’ mesmo da vida. Quando os tecnobregas eram lançados, os artistas tinham que se virar para conseguir o alcance, que era por exemplo através da venda de CDs piratas”. 

Além de exaltar a própria cultura, Muluc, que agora tem se dedicado aos estudos de teoria musical, também pensa em fazer experimentações que misturam a música paraense e a cuiabana. 

“Tenho esse pensamento de experimentar o estilo que já existe e transformá-lo, penso dessa maneira, estou estudando produção musical e como o tecnobrega é um estilo eletrônico, que foi modificado ao longo dos anos, estava tentando produzir um remix da banda Calorosa, que é um lambadão, mas em uma versão brega, por enquanto estou curtindo e está sendo uma experiência muito massa de experimentar esses estilos”. 

O DJ ainda trabalha no projeto de uma festa que pretende mesclar os ritmos periféricos que nasceram em Cuiabá, no Norte e no Nordeste. “Eu e a Larissa queremos fazer essa conexão entre eles em uma festa para que ocorra esse encontro e essa troca cultural, porque é muito rica e está crescendo cada vez mais”. 

Muluc ressalta que a conexão de ritmos como o tecnobrega e outros estilos periféricos, como o lambadão, são essenciais para que a cultura de outros estados fora do Sudeste sejam vistas pelo mundo. 

“Vimos, por exemplo, a Gaby Amarantos, que é uma artista de tecnobrega e tecnomelody ganhando um Grammy Latino, que foi um marco. Temos muita referência já aqui em Cuiabá de quem está fazendo isso, a banda Calorosa tem tido esse papel muito importante de levar o lambadão para outros lugares, estão tendo esse reconhecimento e isso é muito importante”.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet