Olhar Conceito

Quarta-feira, 29 de maio de 2024

Notícias | Artes visuais

na casa cuiabana

Exposição 'Anfêmera' explora padrões comportamentais na envelhescência através da arte

Foto: Reprodução

Exposição 'Anfêmera' explora padrões comportamentais na envelhescência através da arte
A exposição "Anfêmera" abre às portas nesta quinta-feira (21), na Casa Cuiabana, em Cuiabá, a partir das 21h, com entrada gratuita e aberta ao público em geral. Na mostra, a artista Mari Gemma De La Cruz apresenta seu mais recente trabalho, uma obra envolvente que explora os intricados padrões comportamentais na envelhescência feminina.


Leia também 
Há três décadas, mineiro que aprendeu profissão com o pai tem sapataria em casa antiga no Porto


A exposição é resultado de extensa pesquisa realizada em 2019 e 2020, oferece uma profunda reflexão sobre a experiência feminina nesse estágio da vida, através de imagens, vídeo e instalação.

Durante esse período de investigação, a artista confrontou suas próprias inquietações, relacionadas ao envelhecimento, em um contexto de perdas significativas, como a morte de sua mãe, os filhos deixando o lar, menopausa e a aposentadoria como farmacêutica e servidora pública.

Essas experiências pessoais culminaram em uma reflexão multifacetada sobre memória, comportamento, padrões sociais e etarismo.

A exposição destaca episódios e percepções comuns a muitas mulheres na envelhescência, evidenciando mudanças nas dimensões biológica, estética, psicológica, relacional, profissional e de saúde. O momento, apesar de trazer a possibilidade de uma nova liberdade, é frequentemente reprimido por modelos sociais que geram sentimentos que limitam a expressão e a vivência plena dessa fase da vida.

Inspirada por esse contexto, a artista sentiu uma urgência por mudança, levando à necessidade de desconstruir e reconstruir sua vida. Essa metamorfose foi representada metaforicamente pela reforma do "corpo-casa", onde a artista viveu por mais de três décadas.

Durante a investigação, a sensação de invisibilidade e obsolescência conectou-se a padrões comportamentais, incluindo a acumulação de objetos que atestavam a existência da artista e reforçavam seu apego.

A exposição busca traduzir visualmente a envelhescência feminina, transformando as imagens da casa, móveis e objetos em poemas visuais. Através dessa expressão artística, questiona-se como os refúgios efêmeros podem incorporar valores subjetivos, levando-nos a explorar as casas oníricas de cada indivíduo, perdidas nas sombras de um passado verdadeiro.

Para honrar a existência das coisas banais, a artista produziu imagens resultantes de performances com objetos, tornando-os testemunhos da história, rastros de memória que constroem uma cartografia do ser. As performances abordam uma variedade de percepções, desde a inutilidade até a resiliência, proporcionando momentos de catarse e resgate do valor da vida.

A exposição levanta questões éticas relacionadas aos padrões comportamentais na envelhescência, destacando a contradição entre valorização e desvalorização da senectude. Acredita-se que a interação do público com as subjetividades apresentadas possa inspirar uma reflexão sobre alternativas e sensibilidades que fogem aos modelos vigentes, aliviando a opressão muitas vezes associada à mulher na envelhescência.

Este trabalho ganhou o mundo antes de ser apresentado nas terras cuiabanas. Atualmente, está participando de uma exposição coletiva no México e já participou de outras exposições na Argentina (2022) e na Espanha (2021), sendo que nesta última foi premiado.  

Sobre a Artista

Mari Gemma De La Cruz é uma artista visual interdisciplinar que iniciou sua carreira aos 53 anos, em 2016, após ter atuado como farmacêutica. Possui mestrado em Saúde e Ambiente, e suas práticas artísticas incluem fotografia, poesia visual, performance, vídeo e intervenção em espaços urbanos ou naturais. 

Comprometida com transformações sociais emancipadoras, suas criações resultam de pesquisas numa perspectiva 'biopsicosocioambiental', abordando questões cotidianas relacionadas ao feminismo e meio ambiente.

Atualmente residindo em Cuiabá, Mari Gemma De La Cruz recebeu premiações e conquistou reconhecimento internacional por seu estilo único e provocativo. Participou de exposições no Brasil, Argentina, Áustria, Bolívia, Chile, Espanha, Honduras, México e Portugal. Site: www.marigemma.com . Rede social: @marigemma.art.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet