Olhar Conceito

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Colunas

Vencendo a batalha contra pálpebras caídas com "Tamanho 44 também não é gorda"

Da Redação - Stéfanie Medeiros

05 Mai 2014 - 16:40

Foto: Reprodução

Vencendo a batalha contra pálpebras caídas com
Já era tarde da noite e, apesar de o livro ser do gênero “chick-lit” (literatura para meninas), eu olhava toda hora para a porta e janelas. Qualquer barulho me assustava. Isto aconteceu quando eu estava lendo “A sangue frio”, de Truman Capote. A diferença é que a obra em minhas mãos chamava-se “Tamanho 44 também não é gorda”, da rainha dos adolescentes e jovens adultos, Meg Cabot.

Leia maisExplorando as discrepâncias sociais, livro "Morte Súbita" será adaptado para televisão

O título, obviamente, é uma ironia. A personagem principal, Heather Wells, foi uma cantora pop de shopping na adolescência (igual a Robin de “How I met your mother”), mas, quando ganhou uns quilinhos a mais, foi demitida da produtora musical. Sua mãe fugiu para a Argentina com um amante e todo o dinheiro de Heather. Seu pai está na prisão há 20 anos por sonegação de impostos. E agora, a heroína, aos 29 anos, trabalha em um alojamento da Faculdade de Nova York, conhecido como “alojamento da morte”.
                                                        (Meg Cabot)
Isto porque coisas estranhas acontecem neste lugar. Coisas que, querendo ou não, Heather sempre acaba envolvendo-se. Talvez eu deva mencionar antes de qualquer coisa que “Tamanho 44 também não é gorda” é o segundo livro da série de mistérios de Heather Wells. O primeiro, chamado “Tamanho 42 não é gorda”, mostra a heroína indo atrás de um assassino que ninguém acredita que existe. Já neste segundo romance, todos sabem que tem um assassino a solta. Mas todos estão fazendo as perguntas erradas para as pessoas erradas, exceto por Wells. E isto a coloca em uma situação de vida ou morte – mais uma vez.

A história, como a maioria dos livros de Meg Cabot, é narrada em primeira pessoa. E é exatamente isto que dá leveza e o tom cômico à obra. Cabeças decapitadas, ossos no triturador de lixo e uma rede de tráfico de drogas dentro da faculdade são coisas geralmente pesadas e, diga-se de passagem, meio assustadoras. Mas sob os olhos de Heather, os mistérios são resolvidos com um “quê” de sarcasmo e bom humor.

São através de livros como este (cito ainda o livro - e seriado - “Sex and the city”, de Candace Buchnell), que Nova York ganha seu apelo mundial para públicos de todas as idades. Mesmo não sendo sobre a cidade em si, é impossível não se imaginar no lugar de Heather com a maior metrópole do mundo coberta de neve, tomando um café moca na star bucks ou pegando um begal com cream chesse e bacon logo pela manhã.

Já na capa do livro, é dito sem rodeios: “É para os fans de chick lit”. Sinceramente, eu vejo essa classificação como uma forma de a arrogância literária diminuir o valor da obra. Não estou falando que é um Capote ou Dostoievski, longe de mim. Porém, como disse a escritora Tracy Chavelier, “É raro um livro que vence a batalha contra pálpebras caídas”. E desculpe-me a literatura universal, mas isso nunca aconteceu com “Crime e Castigo”.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Iliadil
    06 Mai 2014 às 01:42

    A a crítica foi muito boa, já li alguns trabalhos da autora mas não me interessei por esse livro, tinha uma ideia completamente errada sobre ele. Seu texto me despertou o interesse no livro, e também algum debate o que é sempre saudável no universo literário. Também considero que a referencia foi adequada pois creio que o público alvo a entendeu facilmente, referências são coisas complicadas, ninguém é forçado a saber, mas também não é um ponto tão central para tornar o texto ininteligível. Relaxem um pouco e vão ler um bom livro.

  • Felix Moramo
    05 Mai 2014 às 17:12

    Ler Capote ou Dostoiévski não faz de ninguém culto. Muito menos Jornalista. "Chick-lit" tem suas limitações e não busca ir além das mesmas, Meg Cabot como ótima escritora que é sabe manter-se no gênero e não espera que seu livro compare-se à Crime e castigo, já que são densidades completamente diferentes. Saber interpretar corretamente o que se está lendo também é muito importante, não basta só ler. Análise Rasa, faltou mais informação. O que exatamente é "how i met your mother" ? sou obrigado a saber o que é? não saquei a referência.

  • Leitor indignado
    05 Mai 2014 às 16:58

    E desculpe-me a literatura universal, mas isso nunca aconteceu com “Crime e Castigo”. ????? Isso sim é arrogância literária, tem muitas pessoas que leem esses classicos da literatura e as pálpebras nao caem, porque é uma literatura densa sim, mas é uma literatura que precisa ser processada e digerida, talvez, por isso, os olhos não aguentem esse extremo porém muito rentável processo de leitura. Análise pobre.

Redes Sociais

Sitevip Internet