Olhar Conceito

Segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Notícias / Música

Entre 15 escolhidos no mundo para curso na França, Cuiabano é elogiado por produtor musical dos Beatles

Da Redação - Isabela Mercuri

18 Mai 2015 - 09:37

Foto: Isabela Mercuri / Olhar Conceito

Wellington com seu certificado

Wellington com seu certificado

Com apenas 20 anos, o músico Wellington Ribeiro acaba de voltar da França e uma frase não sai de sua cabeça: “Daqui a dez anos, quem vai estar fazendo curso com você sou eu”. O elogio partiu de Eddie Kramer, produtor musical de bandas como Beatles, Jimmy Hendrix e Led Zeppelin, e foi resultado da apresentação do trabalho do cuiabano, um dos quinze escolhidos (de todo o mundo) para participar do “Mix With The Masters” 2015.

Leia mais:
Você foi? Veja as fotos do show dos Star Beetles no Malcom Pub
Expoagro 2015 contará com diversos shows nacionais e ingressos a partir de R$ 10; confira atrações

Mas até chegar lá, Wellington teve uma longa trajetória. Desde os oito anos de idade fazendo aulas de violão, passando aos 12 para a guitarra, o garoto se apaixonou por música e teve que insistir neste caminho: “Minha mãe queria que eu fizesse uma faculdade, mas eu não me via como outra coisa que não fosse música”, conta. Depois de aulas no Conservatório Dunga Rodrigues e com professores particulares, ele participou de diversas bandas até que, há cinco anos, decidiu se dedicar também às gravações.

Com muito estudo e esforço, montou um estúdio em sua própria casa. Fez cursos no Studio Midas, em São Paulo, com o produtor Rick Bonadio, o que abriu seus horizontes: “Os dois cursos que fiz em São Paulo me ajudaram muito e foram fundamentais para abrir caminho para a França, principalmente porque me fez colocar a culpa em mim mesmo”, explica: “Eu vi que ele fazia coisas incríveis e que não é preciso muita grana... antes eu ficava agarrado na ideia de ter equipamento bom, e percebi que uma mesa de R$500 mil não faz nada sozinha”.


(Foto: Isabela Mercuri / Olhar Conceito)

Depois dos cursos, então, Wellington colocou a mão na massa e se dedicou ainda mais à produção musical. Para participar do Mix With the Masters, ele enviou seu portfólio e currículo com músicas. Para sua alegria, foi um dos escolhidos e preencheu uma das quinze vagas disponíveis para produtores do mundo todo. Os únicos brasileiros eram ele e um carioca (responsável pela sonorização do réveillon de Copacabana). No grupo, ainda, estava o técnico de som do The Voice Estados Unidos.

No curso, que durou uma semana, ele teve a oportunidade de conhecer a parte histórica, o processo de gravação em fita e ouvir as originais, além de ter acesso aos projetos e gravações: “Dá pra perceber que era muito mais difícil. Nos anos 60 os caras tinham que ter muito mais criatividade para gravar”, comenta o músico.

O melhor desta oportunidade, no entanto, foi confirmar que Wellington está no caminho certo: “Nós tivemos que mostrar três trabalhos para o Eddie Kramer, e ele dava um feedback e depois todo o grupo comentava o que precisava melhorar”, afirma o músico, orgulhoso, “Na minha vez, ele disse que se precisasse confiar em alguém ali para uma gravação, seria eu”. Wellington era o mais novo do grupo de 15 pessoas, e conta que depois deste elogio todos os colegas passaram a pedir conselhos para ele.


Wellington e Eddie Kramer (Arquivo Pessoal)

Outra grande realização foi tocar junto com o guitarrista do Aerosmith e com o baterista do Elton John, Shakira e Madonna: “Como é um estúdio muito bom e conhecido, ali ninguém é estrela”, explicou.

Wellington tem um plano de inaugurar um estúdio em espaço próprio, fora de sua casa, daqui a um ano. Desta forma, ele poderia gravar também a bateria, o que não acontece em casa: “O projeto é do Carlos Duttweller, que trabalhou com o John Storyk, dono de um dos estúdios mais famosos dos Estados Unidos, além de ter feito o Midas, o do Jimmy Hendrix...”.

Como guitarrista


(Foto: Isabela Mercuri / Olhar Conceito)

Apesar de se dedicar às gravações, Wellington não deixa de tocar guitarra. Atualmente, ele está nas bandas Mamata, que toca em casamentos junto com a Orquestra Sinfônica, a Big Chair, que toca cover de bandas de rock, e a Ponto Seis, banda autoral.

A Ponto Seis tocou por muito tempo em tributos a Charlie Brown Jr e Blink 182, e ficou conhecida por isso. No entanto, o foco agora são as músicas autorais, e é neste estilo o CD que vão lançar até julho de 2015. A surpresa é a participação especial do guitarrista do Charlie Brown Jr., Thiago Castanho.

“Vamos lançar um CD completo, além de clipes. A gravação é com uma equipe de São Paulo que faz os clipes do Jorge Ben, Restart e outros nomes”, conta Wellington. A banda, formada por André Matos no vocal, Rafa Bocão na bateria e Wellington na guitarra, vai lançar as músicas também no Spotfy, Itunes e Deezer: “A galera normalmente sonha em tocar nos aniversários de Cuiabá... legal, a gente também quer, mas pensamos grande. Queremos ganhar um Grammy”, afirmam os amigos, esperançosos. “Nós sempre buscamos excelência em tudo”, finaliza Wellington.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet