Olhar Conceito

Terça-feira, 20 de outubro de 2020

Notícias / Literatura

Lucinda Persona: Conheça a nova imortal da AML que tomará posse nesta terça-feira

Da Redação - Stéfanie Medeiros

30 Set 2014 - 10:10

Foto: Stéfanie Medeiros/ Olhar Conceito

Lucinda Persona: Conheça a nova imortal da AML que tomará posse nesta terça-feira
Lucinda Nogueira Persona é considerada por vários como uma das principais vozes líricas do Brasil atual. Dois de seus livros de poesia receberam o Prêmio Cecília Meireles da União Brasileira de Escritores (UBE). Seus poemas também aparecem em antologias, como por exemplo a “Roteiro da poesia brasileira: Anos 90”, com seleção e prefácio Paulo Ferraz, publicado em São Paulo. Além disto, os versos da poetisa são temas de trabalhos acadêmicos. Nesta terça-feira (30), Lucinda será recebida na Casa Barão de Melgaço para tomar posse da cadeira de número 4 da Academia Mato-Grossense de Letras.

Leia mais: Eleitas no final de semana, três novas imortais representam uma revolução na AML; Entenda

Com um sorriso no rosto, modos tímidos e educados, a poetisa recebeu a reportagem do Olhar Conceito em sua casa para falar de sua obra. Sempre polida, Lucinda é uma figura acolhedora e, ao mesmo tempo, com grande repertório. Sua casa é cheia de obras de arte, expostas com harmonia na decoração moderna. Andando com naturalidade, a poetisa responde a todas as perguntas com humildade e agucidade.

Sua trajetória começou Arapongas, no Paraná, onde nasceu e passou os primeiros quatro anos da infância. Depois disto, Lucinda mudou-se com os pais para Marialva, também no norte paranaense. Foi nesta cidade que passou grande parte da infância e adolescência. Como a família mudou diversas vezes de casa durante este período, Lucinda entrou relativamente tarde para a escola. Mas sua curiosidade era grande e seu interesse por histórias e livros aumentavam a cada dia. Por isto, aos seis anos de idade, a pequena Lucinda aprendeu a ler com sua mãe.

Na casa da família Persona, circulavam muitos livros, revistas e jornais. Sempre em contato com a escrita, Lucinda começou a produzir desde cedo, escrevendo diários e versos em cadernos. Aos dez anos de idade, deparou-se com uma edição do jornal O Estadão que chamou-lhe atenção. Em uma página, a construção gráfica privilegiou não só o conteúdo, como também a forma de um poema de Cecília Meireles. Lucinda ficou encantada com aquilo. Foi por volta desta época que Lucinda começou a escrever seus primeiro versos. Hoje, anos depois, a poetisa ainda guarda o caderno com seus primeiros poemas.



Em 1965, Lucinda mudou-se para Cuiabá, onde mora desde então. Ela concluiu o segundo grau na capital mato-grossense e depois entrou no curso de biologia. A escolha de Lucinda quanto ao ensino superior pode causar estranheza. “Se ela é poetisa, por que foi fazer biologia?”, muitos questionam. Mas a explicação é simples: Desde criança, Lucinda escreve sobre o que admira, isto é: sobre a natureza, a vida, as plantas, os animais, a chuva, as nuvens, o sol. Seu interesse pela ciência, vida e natureza sempre foi latente, por isso formou-se em biologia na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Logo em seguida, partiu para o mestrado em Histologia e Embriologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Realizou ainda alguns estágios profissionais na Universidade do Chile. E então dedicou-se a vida acadêmica. Foi professora na UFMT, por onde aposentou-se. Depois, ainda deu aulas na Universidade de Cuiabá (Unic), de 1999 a julho de 2014.

Durante todos estes anos nos quais dedicou-se à vida acadêmica, Lucinda nunca deixou de lado a poesia. Publicou sete livros de poesias, sendo dois deles infanto-juvenis. Como dar aulas sempre é uma responsabilidade que requer muito tempo, Lucinda dedicava suas noites à escrita, hora em que tudo estava calmo e silencioso. Manteve o hábito até os dias de hoje.



Atualmente, Lucinda não dará mais aulas. A poetisa dedicará-se exclusivamente à criação literária. “Eu sempre gostei de dar aula, mas agora eu me sinto livre. Sinto que agora posso aproveitar mais a vida, escrever, viajar e curtir a família”, disse Lucinda.

Para mostrar sua trajetória literária, Lucinda arrumou em seu escritório todos os seus livros publicados por ordem cronológica. O escritório da poetisa, local onde as poesias ganham vida, é um local “clean”, bem arrumado e organizado. As prateleiras de livro são cobertas com portas para proteger as obras da poeira, daí o aspecto minimalista do escritório. Entre os livros que a poetisa gosta de ler, estão os de Manoel de Barros, Adélia Prado, Walt Whitman, T.S. Eliot, dentre muitos outros.

Na escrivaninha, estavam os livros de Lucinda. O primeiro deles chama-se “Por imenso gosto” e foi publicado em 1995. A obra ganhou o prêmio especial no Concurso Cecília Meireles da UBE (veja a lista completa no final da matéria) em 1997.

Além de poemas, Lucinda também trabalha com alguns contos e artigos. No futuro, pretende reunir uma coleção de textos que tem sobre poetas e escritores regionais. Para 2015, Lucinda também irá publicar seu oitavo livro se poesia, chamado “Um pouco de todos os dias”, ainda em fase de edição.

Academia Mato-Grossense de Letras

Lucinda entrou em contato com as atividades da Academia Mato-Grossense de Letras há 20 anos, quando da posse da imortal Yasmin Nadaf. Nos círculos acadêmicos, conheceu a outra imortal, Marília Beatriz. Depois disto, começou a frequentar o local, embora na época o Casarão não tivesse tantos eventos quanto agora.



Sobre ter se inscrito para entrar como membro da AML, Lucinda explicou que duas coisas foram determinantes no processo. A primeira delas é que a AML é uma “casa das letras”, um local onde o escritor sente-se acolhido. “O universo das letras atraí o escritor”, disse. O segundo motivo foi o incentivo de amigos, tanto escritores, quanto de outras profissões.

A votação aconteceu no dia 2 de agosto e elegeu não somente Lucinda, mas também Sueli Batista e Marta Cocco. Das três eleitas, Lucinda será a primeira a tomar posse. A cerimônia acontece nesta terça-feira (30), às 19h30, na Casa Barão de Melgaço.

Na ocasião, Lucinda ocupará oficialmente a cadeira de número 4, cujo o patrono é o padre José Manoel de Siqueira e último ocupante é o padre Firmo Pinto Duarte. Dom Aquino Correia também já sentou-se nesta mesma cadeira. “A AML agora está mais viva e quero estar sempre presente, com espírito de contribuição, dando movimento às letras e ao acervo literário”, disse Lucinda sobre sua expectativa como imortal da AML. A cerimônia de posse é aberta ao público.

Obras publicadas

Por imenso gosto (Massao Ohno, 1995) – Prêmio especial no Concurso Cecília Meireles (1997) da UBE;

Ser cotidiano (7Letras, 1998);

Sopa escaldante (7Letras, 2001) – Prêmio Cecília Meireles (2002) da UBE;

Leito de Acaso (7Letras, 2004).

Tempo comum (7Letras, 2009).

Na literatura infanto-juvenil é autora de:

Ele era de outro mundo (Tempo Presente, 1997) e

A cidade sem sol (Razão Cultural, 2000).

Participou das antologias:

Na margem esquerda do rio: contos de fim de século (São Paulo: Via Lettera, 2002);

Fragmentos da alma mato-grossense, (Cuiabá: Entrelinhas, 2003).

Roteiro da poesia brasileira: Anos 90/ [Seleção e prefácio Paulo Ferraz; direção Edla van Steen]. – São Paulo: Global, 2011.

Serviço

Cerimônia de posse de Lucinda Persona
Data: Terça-feira (30)
Horário: 19h30
Local: Casa Barão de Melgaço, sede da Academia Mato-Grossense de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso
Endereço: Rua Barão de Melgaço, número 3869, Centro

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet