Olhar Conceito

Quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Notícias / Política Cultural

Professor da UFMT é o único brasileiro finalista do Prêmio Nobel da Educação e pode ganhar U$S1 milhão

Da Redação - Isabela Mercuri

10 Dez 2015 - 14:03

Foto: Reprodução / UFMT

Professor da UFMT é o único brasileiro finalista do Prêmio Nobel da Educação e pode ganhar U$S1 milhão
O professor da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Araguaia, Marcio de Andrade Batista, é o único brasileiro entre os 50 finalistas do prêmio Global Teacher Prize, considerado o prêmio Nobel da educação. Somente 29 países têm representantes na final, e o vencedor – que será anunciado em março de 2016, em Dubai – ganhará um milhão de dólares.

Leia mais:
AACC promove festa de natal para crianças e seus familiares com papai noel e entrega presentes
Campanha 'Natal para Todos' recolhe doações de alimentos para famílias carentes

Marcio é engenheiro químico e doutorando em Engenharia Mecânica, e foi indicado ao prêmio por um trabalho que realiza em escolas públicas de ensino médio. Ali, ele incentiva os alunos a fazer trabalhos científicos orientando projetos sugeridos pelos próprios estudantes. "Sempre tive como meta mostrar que ser cientista é tão legal quanto ser jogador de futebol ou outra profissão que os alunos admiram. Queria inserir a ciência dentro do rol de interesses dos alunos", disse, via assessoria.



O prêmio Global Teacher Prize está em seu segundo ano e é oferecido pela Fundação Varkey, fundada pela Sunny Varkey. O objetivo é mostrar a importância dos professores reconhecendo um professor excepcional que tenha realizado um grande feito em sua região.

Em 2015, por exemplo, a ganhadora foi uma professora dos Estados Unidos, Nancie Atwell, que em suas aulas de inglês deixava que os alunos escolhessem os livros que iriam ler e os assuntos sobre os quais iriam escrever. Desta forma, fez com que cada aluno lesse em média 40 livros de 14 gêneros e escrevesse cerca de 21 artigos de 13 gêneros.

O trabalho de Marcio não é muito diferente. Dando liberdade aos alunos, já conseguiu alcançar o terceiro lugar no Prêmio Jovem Cientista com a pesquisa “Elaboração de farinhas integrais enriquecidas com fruto do Cerrado (baru), visando atender às necessidades nutricionais de atletas de alto desempenho”, da estudante do 2º ano do ensino médio do Colégio Presbiteriano de Juína, Bianca Valeguzki de Oliveira.

Em dezembro de 2012, ainda, o professor e a estudante receberam a premiação em cerimônia com a presidente da República, Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Para saber mais sobre o prêmio e ver os outros finalistas, acesse o SITE.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet