Olhar Conceito

Terça-feira, 17 de maio de 2022

Notícias | Política Cultural

hip hop combate as drogas

Depois de ser internado 16 vezes, radialista se livra das drogas e organiza evento para 'resgatar' dependentes químicos

Foto: Reprodução / Facebook

'Mano Raul' na rádio CPA FM

'Mano Raul' na rádio CPA FM

Um evento de conscientização contra as drogas acontece no próximo dia 13 de agosto na praça Maria Ricci, no bairro do Porto em Cuiabá. Com palestras, shows de rap e oferecimento de vagas sociais em instituições de recuperação a dependentes químicos, a segunda edição do “Hip Hop Combate as Drogas” é muito mais do que um show: é a realização de um sonho.

Leia mais:
Depois de viver nas ruas, cuiabana grava CD e comemora 'a vez e a voz' da mulher no rap

Idealizado por Raul Lázaro dos Santos Junior, o ‘Mano Raul’, o principal objetivo do evento é resgatas crianças e adolescentes antes que sejam seduzidos pelo mundo das drogas. Raul sabe bem o que é isso. Nascido no bairro do Baú, já viveu no CPA e também no Porto, e aos quinze anos conheceu os narcóticos.

Foram dezesseis anos refém das substâncias, dezessete internações e muitos ‘perrengues’ para manter o vício. De prostituição a roubo, mentira, manipulação: “Eu me apaixonei. Foi paixão à primeira vista”, conta.

Somente quando quis mudar sua realidade – e com ajuda de sua atual esposa, Luciene Carvalho – que Raul ficou limpo. Para isso, usou outra de suas paixões como válvula de escape, se tornando radialista e ajudando diversas pessoas da periferia a realizar sonhos.


Mano Raul (Foto: Olhar Conceito)

Trajetória no rádio

Raul sempre teve curiosidade de conhecer o mundo do rádio. Desde adolescente, visitava os estúdios da rádio comunitária do bairro, ouvia a programação, participava de sorteios. Até que um dia foi convidado pelo DJ Taba para comandar um programa na Rádio Serra FM, no Coxipó. Por um ano, ia todos os dias conhecer mais sobre o radialismo no programa “Voz Ativa”.

“As pessoas ligavam lá sempre, até que um dia ligaram umas meninas do Pascoalzinho [Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May] dizendo que eram minhas fãs, que queriam entrar ao vivo, que queriam ouvir Racionais. Eu fiz uma loucura e coloquei ao vivo as mina da prisão”, lembra. Foi aí que ele percebeu que já tinha um nome, e nasceu o Mano Raul.

Depois de um ano no Coxipó, Mano Raul foi convidado para apresentar outro programa, a “Fábrica do Rap”, na Rádio CPA FM. “A rádio já existe há quinze anos, e o programa existia também. Eu abracei a ideia. Ali eu fiquei mais solto, posso falar o que eu quero”. Hoje, Raul continua apresentando o programa e foi no programa, por exemplo, que revelou a rapper Karla Vecchia.

“A gente deu oportunidade pra bastante gente também que queria ser repórter, aprender a mexer em rádio. E a rádio pra mim é um estágio, já que hoje eu realizei um sonho e estudo jornalismo na UNIC. (...) Poder chegar na Universidade, depois de tudo que eu passei, depois de todos os lugares terríveis que passei, é uma vitória”, comemora.

Depois de seis anos ‘limpo’, estudando em uma universidade, ajudando rappers, fazendo parte do Movimento Hip Hop e à frente de um programa de rádio, Mano Raul só consegue pensar em ajudar os outros. “Você vai ali no Porto, o tanto de criança e adolescente que ta lá, se perdendo pras drogas (...) Lá no Porto é só isso, bar, prostituição e drogas. Como eles vão fugir? (...) A palavra é misericórdia. Olhar e trocar de sapato com eles. É muito fácil julgar”, comenta.

Foi pensando nisso que ele realizou, em agosto de 2015, a primeira edição do “Hip Hop Combate as Drogas”. Naquela ocasião, três pessoas mostraram interesse e foram internadas. E muitas outras atingidas.



“O Hip Hop tem esse poder, porque o rap chega em qualquer lugar. Na cadeia, na favela, no beco, na quebrada. E onde a música chegar, a mensagem vai chegar. Seja o rap gospel, o gangster, o que importa é que a mensagem chega”.

Na próxima edição, dia 13 de agosto, Mano Raul e o Movimento Hip Hop não contaram com patrocínio de ninguém, apenas um pequeno apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, que forneceu o som.

No dia do evento, às 17h30 acontecerá uma palestra rápida sobre drogas, e às 18h começam os shows. “Eu pensei, se eu consegui me recuperar, eles podem também. Todos têm uma chance. O Hip Hop dá a mão amiga, se alguém segurar a gente vai puxar”, finaliza. 

*Quem quiser ajudar o Mano Raul, pode entrar em contato pelo telefone:  (65) 99635-3486. 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet