Olhar Conceito

Terça-feira, 17 de maio de 2022

Notícias | Literatura

trilogia da palavra

Eduardo Mahon lança trilogia de haicais que une objetividade e ironia para 'provocar'

Foto: Isabela Mercuri / Olhar Conceito

Eduardo Mahon lança trilogia de haicais que une objetividade e ironia para 'provocar'
‘Meia palavra vasta’, ‘Palavra de amolar’ e ‘Palavrazia’ são os três livros de haicais do advogado e escritor Eduardo Mahon, lançados na noite da última terça-feira (26) no Museu Histórico de Mato Grosso. A trilogia, primeira de Mahon neste formato, vem – segundo o próprio –para provocar.

Leia mais:

Advogado e imortal da AML lança trilogia poética no Museu Histórico de Mato Grosso

Eduardo Mahon já havia escrito poesia em seu livro ‘Nevralgias’, lançado em 2012, mas foi para ‘Meia palavra vasta’ que começou a escrever haicais, forma poética de origem japonesa que une objetividade, concisão e, muitas vezes, ironia. “Eu gosto de provocar e eu gosto que o leitor me complete. Eu não gosto de final feliz, eu não gosto do que seja quadrado, eu gosto que o leitor me complete”, afirma o escritor. Para isso, ele deixa a interpretação por conta de quem o lê.

E a reação pode ou não ser boa. A jornalista e escritora Stéfanie Medeiros, depois de ler os três livros, contou que as reações podem ser diversas. “Mahon ou é oito ou é oitenta”, conta, lembrando de um dos haicais que não a agradou: “É o da celulite. Diz ‘há quem acredite em amor com celulite’. Mas tem uns muito bons. Meu livro é todo com as orelhas dobradas de alguns que eu gostei muito mesmo”.


Stéfanie Medeiros com a trilogia em mãos (Foto: Isabela Mercuri / Olhar Conceito)

Ainda com o anseio de que o leitor se perca e se encontre sozinho, Mahon afirma que não quis nem mesmo colocar numeração nas páginas. Com poemas curtos e de leitura rápida, apesar de crítica, ele comenta que também responde ao que o público pede. “Isso aqui eu acho que é a cara da moçada. Nada contra o Olavo Bilac, mas eu acho que não tem mais lugar o Olavo Bilac hoje. Porque eu acho que as pessoas querem a imediatividade e querem participar do texto. Aqui eles participam interpretanto”, afirma.

Produção

Para escrever a trilogia, Eduardo Mahon levou cerca de dois anos entre a produção e a revisão. O primeiro livro foi o ‘Meia palavra vasta’, mas o autor explica que não há ordem de leitura. “Meia palavra vasta foi o primeiro, então os haicais estão mais livres, e depois eu peguei a mão. A editora falou ‘Eduardo, você pegou a mão desse negócio’, então fizemos um livro mais crítico, que é o ‘Palavra de Amolar’ - o amolar no duplo sentido - e depois eu vou discutir o amor na poesia, desconstruindo isso, em ‘Palavrazia’. Dizendo que a poesia muito romântica me dá azia, e me dá mesmo”, explica.

‘Trilogia da palavra’ é a quarta publicação de Mahon, que lançou “Nevralgias” (2013), “Doutor Funéreo e outros contos de morte” (2014) e “O Cambista” (2015), todas as obras publicadas pela editora Carlini e Caniato Editorial. Além de advogado, o escritor é também imortal da Academia Mato-Grossense de Letras, instituição que presidiu de 2013 a 2015. (Veja onde comprar suas obras AQUI
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet