Olhar Jurídico

Sexta-feira, 10 de abril de 2020

Notícias

STJ rejeita embargos de Bosaipo e o mantém afastado

De Brasília -- Catarine Piccioni

15 Ago 2012 - 13:42

Foto: Reprodução

STJ rejeita embargos de Bosaipo e o mantém afastado
A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acabou de rejeitar os embargos de declaração apresentados pelo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Humberto Bosaipo. O tribunal manteve -- no primeiro semestre deste ano -- o afastamento de Bosaipo do cargo. Na ocasião, acatou sete ações penais movidas pelo Ministério Público por peculato e lavagem de dinheiro.

O advogado Paulo Taques afirmou que o objetivo principal era suspender o afastamento. Com a resposta negativa, os embargos devem agora servir como medidas preparatórias para se chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF).  Bosaipo está fora do TCE desde 2011 -- a última decisão, proferida em março, prevê que ele não exerça o cargo por um ano. 

STJ deve julgar hoje embargos apresentados por Bosaipo para suspender afastamento do TCE

Também no primeiro semestre, o STJ julgou extinta a punibilidade de Bosaipo em relação ao crime de quadrilha -- a Corte deu provimento hoje a embargos de declaração do Ministério Público em relação a esse item.

Bosaipo foi empossado conselheiro do TCE em 2007. Na época, apesar da tentativa, o Ministério Público não conseguiu impedir a posse, mesmo argumentando que o ex-deputado estadual Humberto Bosaipo (ex-DEM) não tinha "idoneidade moral e reputação ilibada".

Os processos judiciais são decorrentes de um suposto esquema de desvio e apropriação de recursos públicos da Assembleia Legislativa por meio de emissão e pagamento com cheques para empresas inexistentes ou irregulares -- que seriam fornecedores. O esquema teria sido articulado por meio de factoring pertencente a João Arcanjo Ribeiro, apontado como ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso. O ainda presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (PSD), é acusado de liderar o esquema.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet