Olhar Jurídico

Quinta-feira, 09 de julho de 2020

Notícias / Civil

Riva 'alfineta MP' e diz que filha de magistrado trabalhou

Da Redação - Julia Munhoz

30 Ago 2012 - 12:00

Foto: Reprodução

Deputado estadual - José Riva - presidente da ALMT

Deputado estadual - José Riva - presidente da ALMT

O presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (PSD), afirmou que a denúncia do Ministério Público envolvendo ele, o ex-deputado Sérgio Ricardo e a ex-servidora pública Tássia Fabiana Barbosa de Lima, filha do desembargador José Jurandir de Lima, não procede. Segundo o parlamentar, a funcionária prestou, sim, serviços na Casa de Leis.

“Não é porque ela fazia faculdade que ela não trabalhava. Assessor legislativo não tem hora para trabalhar ela inclusive trabalhou no período noturno e prestou serviço com toda certeza”, afirmou o parlamentar durante entrevista ao Olhar Jurídico.

MPE denuncia José Riva e Sérgio Ricardo por nomearem filha de desembargador na AL

Sobre o fato de a ex-servidora ser filha de um desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), José Riva foi categórico e ‘enviou’ uma espécie de recado ao MP. “Só porque é filha de desembargador não pode trabalhar? Assim como tem parente de promotor que trabalha aqui na Assembleia”.

A ação civil pública foi proposta pelos promotores do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa. Conforme a denúncia, no período em que supostamente estaria trabalhando na Assembleia Legislativa Tássia Fabina cursava a faculdade de Medicina Veterinária na Universidade de Cuiabá em período integral.

Os promotores se manifestaram pelo afastamento do presidente das funções administrativas e financeiras da Mesa Diretora. Além disso, o MPE requereu que José Riva seja impedido de assumir funções em qualquer outro cargo público que venha exercer, por nomeação ou por eleição, até o julgamento da ação. Foi requerida, ainda, a condenação dos três por ato de improbidade administrativa e ressarcimento ao erário.

Conforme o levantamento realizado pelo MPE, entre os anos de 2006 e 2009 a filha do magistrado foi nomeada para um cargo vinculado a presidência da AL, mas não exerceu efetivamente as funções. Na época, Sérgio Ricardo também fazia parte da Mesa Diretora.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • CORRUPTO
    31 Ago 2012 às 21:18

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ademar Adams
    30 Ago 2012 às 20:06

    Será que Sr. Ferra vai se calar novamente, ou vai pedir ao deputado que aponte os parentes de promotores. Tem algum parente do Ferra também

  • Clara mom
    30 Ago 2012 às 15:53

    GENTE.... É A PODRIDÃO CHEGANDO AO MINISTÉRIO PÚBLICO. QUE MUNDO É ESTE!

Sitevip Internet