Olhar Jurídico

Terça-feira, 25 de junho de 2019

Notícias / Criminal

Riva volta ao Fórum em audiência sobre desvios na Assembleia ao lado de Fabris

Da Redação - Flávia Borges

30 Jun 2015 - 11:10

Foto: Wesley Santiago/ Olhar Direto

Riva volta ao Fórum em audiência sobre desvios na Assembleia ao lado de Fabris
O ex-deputado José Geraldo Riva volta à Sétima Vara Criminal em audiência de instrução e julgamento no dia 10 de agosto, assim como o deputado Gilmar Fábris. Ambos são acusados de ter assinado 123 cheques, num total de R$ 1,5 milhão, pagos a empresas fantasmas, em 1996. Na época, Fabris ocupava a presidência da Assembleia Legislativa, enquanto Riva atuava como primeiro-secretário da Casa. A ação foi enviada à 7ª Vara Criminal pelo desembargador Pedro Sakamoto.

Leia mais
Riva vai ao Fórum para audiência em ação por desvio de dinheiro entre 1996 e 1998 mas não depõe

Conforme os autos, durante o ano de 1996, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Fabris e Riva desviaram e apropriaram-se de dinheiro público, de que tinham posse em razão do cargo, em proveito próprio e alheio.
O grupo assinou cheques nominais destinados a mais de 30 empresas, como suposto pagamento de serviços prestados àquela Casa de Leis. Entretanto, tais pagamentos eram destinados às contas bancárias da empresa Madeireira Paranorte e Para o Sul Ltda, sem sequer chegarem às pessoas jurídicas destinatárias.

Segundo a denúncia, a conta corrente da Madeireira Paranorte e Para o Sul Ltda era administrada pelo denunciado Agenor Jacomo Clivati, ex-funcionário do escritório contábil que o Deputado José Geraldo Riva possuía na cidade de Juara/MT, conhecido como ‘braço direito’ do mesmo, testemunha do contrato de constituição da supra citada empresa, e servidor da Assembléia Legislativa, subordinado ao mencionado Deputado Estadual.

O denunciado Djan da Luz Clivati, filho de Agenor Jacomo Clivati e servidor da Assembléia Legislativa, tinha a função de sacar o dinheiro da conta corrente da Madeireira Paranorte e Para o Sul Ltda e distribuir entre os integrantes da empreitada criminosa organizada, valores que também eram utilizados para pagamento de despesas pessoais.

A investigação realizada pela 23.ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público concluiu que a Madeireira Paranorte e Para o Sul Ltda tratava-se de uma ‘empresa fantasma’ constituída pelos denunciados para dissimular origem do dinheiro público desviado.

Apurou-se, também, que um dos supostos proprietários da fictícia sociedade personalizada, Devanir Júlio de Souza, residente em São Paulo, nunca esteve no Mato Grosso, jamais tomou conhecimento da existência de uma empresa em seu nome e não conhece nenhum dos denunciados; o outro hipotético proprietário, Jesulino Leolino de Oliveira, sequer foi encontrado.

Averiguou-se, outrossim, que dita entidade comercial não possuía sede, nem movimentação comercial que justificasse o recebimento dos valores depositados na sua conta corrente e era desconhecida por populares e comerciantes do mesmo ramo de atividade da cidade de Juara/MT.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Chapa e Cruz
    01 Jul 2015 às 13:06

    Riva, pede logo a delação premiada. Tá certo que ao invés de 450 anos você vai pegar só uns 45 e terá de cumprir apenas 30, mas pelo menos, enquanto o processo se arrastar, e olha que cabe muitos agravos e apelos de ius perneandis, vai responder com o adorno na can".ela, mas, em casa. Ainda poderá ter o segredo de justiça e um maior esquecimento por parte do "clamor da sociedade

  • jose
    01 Jul 2015 às 08:13

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Dornele$
    01 Jul 2015 às 05:26

    Imagina? Quem assinou os cheques foi Papai-noel e não Riva e Fabris. Que dupla?

  • Gustavo
    30 Jun 2015 às 22:40

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Sandrinha
    30 Jun 2015 às 14:15

    Estão começando a chegar perto! Bingo!!!!!

  • farofino
    30 Jun 2015 às 13:38

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • jose
    30 Jun 2015 às 12:58

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • janjão
    30 Jun 2015 às 12:01

    É tudo verdade. Todavia é apenas o inicio do novelo. Tem mais no Intermat.

Sitevip Internet