Olhar Jurídico

Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Notícias / Agrário

Empresa agropecuária com dívida de R$ 148 milhões tem plano de recuperação judicial aprovado

Da Redação - Lázaro Thor Borges

05 Mai 2016 - 16:01

Foto: Reprodução

Sede da Sigma em Cuiabá

Sede da Sigma em Cuiabá

A assembléia geral dos credores da Sigma Agropecuária Ltda. aprovou o plano de recuperação judicial da empresa, com um passivo de R$ 148 milhões. A Sigma entrou com o pedido de recuperação na justiça em dezembro de 2014 sob alegação de que os seus rendimentos foram afetados a partir da crise econômica de 2004.

Leia mais:
Sigma Agropecuária deve apresentar plano de recuperação judicial de R$ 138 milhões


A aprovação do plano ocorreu no dia 26 de abril deste ano com a presença da maioria dos credores da empresa. Os advogados que representaram a Sigma conseguiram que o passivo da empresa fosse congelado por 16 meses e alguns credores ainda ofereceram descontos de até 60% do valor da dívida, além de garantirem que o pagamento fosse feito em 10 parcelas com três anos de carência. Segundo o advogado Antônio Frange Júnior, representante da empresa, a dívida da Sigma é de R$ 148 milhões.

Antes do início da avaliação, Antônio Frange pediu a suspensão da assembleia geral no prazo de quatro horas para que o plano fosse discutido antecipadamente com os credores da Sigma.

Contudo, após a aprovação do plano, o representante do Banco do Brasil S/A discordou da nova obrigação de pagamento das dívidas e das condições de pagamento apresentados pela fiadora. A empresa Dow Agrosciences também apontou objeções ao plano. Apesar dos contrapontos, a maioria dos credores presentes aprovou o documento.

Recuperação Judicial

No pedido de recuperação judicial, a Sigma alegou que o caos logístico também teria influenciado na crise econômica, pois a única logística para os grãos de soja e milho era exportação para Paranaguá/PR ou para Santos/SP, e a região norte de Mato Grosso fica muito distante dos portos, consequentemente os preços de frete eram altíssimos à época da crise e oneravam demais e os preços finais de venda de grãos, que eram os mais baratos do Brasil, devido a essa enorme distância dos pontos de escoamento.



0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet