Olhar Jurídico

Sexta-feira, 19 de julho de 2019

Notícias / Trabalhista

Após Semana de Conciliação, justiça trabalhista consegue R$ 8 milhões em acordos

Da Redação - Lázaro Thor Borges

24 Jun 2016 - 15:35

Foto: Reprodução

Conciliação

Conciliação

A Justiça do Trabalho de Mato Grosso conseguiu mediar o pagamento de R$ 7,9 milhões em acordos trabalhistas durante os dias 13 e 17 de junho, quando foi realizada a Semana Nacional de Conciliação. No total, 548 processos resultaram na homologação de acordos em 29 unidades da justiça trabalhista do estado, envolvendo um total de 1.096 pessoas.

Leia mais: 
Defesa de Marcel de Cursi representa contra promotora por suposta invasão a dados da Sefaz

Os valores fechados são referentes a direitos trabalhistas que não foram pagos por empresas e que tinham ações que tramitavam, muitos delas há anos. O aplicativo “Quero Conciliar”, lançado pelo TRT de Mato Grosso (TRT/MT), também ajudou a solucionar os conflitos.

A ferramenta possibilita que qualquer uma das partes façam uma proposta de acordo por meio da internet. “O TST [Tribunal Superior do Trabalho] nos enviou uma lista de quase 400 processos e o aplicativo ‘Quero Conciliar’ recebeu em torno de 200, todas foram encaminhados as respectivas varas trabalhistas do estado”, explicou o juiz auxiliar da Presidência do TRT, Plínio Podolan.

Resultado de uma iniciativa do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), a Semana Nacional de Conciliação possibilitou a homologação de acordos que totalizam 566 milhões de reais em todo o judiciário trabalhista.

Foram mais de 25 mil acordos firmados em todo o país. “É importante lembrar que a conciliação é a melhor forma de solucionar conflitos porque não é uma sentença imposta pelo juiz e depois um acordão pelo Tribunal pelo fato das partes chegarem a um acordo. É mais rápido, mais barato e índice de satisfação é muito maior”, conclui a juíza Karine Bessegato, responsável pela Coordenadoria Judiciária e de Apoio à Execução e Solução de Conflitos do TRT/MT.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet