Olhar Jurídico

Segunda-feira, 17 de junho de 2019

Notícias / Financeiro

Justiça acata pedido de recuperação judicial de empresa com débito de R$ 14 milhões

Da Redação - Lázaro Thor Borges

18 Jul 2016 - 15:45

Foto: Reprodução

Sede do grupo Camianki em Sinop

Sede do grupo Camianki em Sinop

O juiz Mario Augusto Machado da Segunda Vara Cível da Comarca de Sinop acatou, na última quinta-feira (14), pedido de recuperação judicial do Grupo Camianski, com sede em Sinop e atuação na região norte de Mato Grosso. As empresas Estruturas Metálica Camianski Ltda., Vitória Perfilados de Aço Ltda. e Nortão Comércio de Perfilados de Aço Ltda que formam o grupo possuem dívida de R$ 14 milhões.

Leia mais:
Juiz desbloqueia R$ 860 mil de Nadaf e mais dois após encontrar apenas R$ 2 mil em contas

O grupo que pertence aos empresários José Tuski Camianski e Sérgio da Silva Camiansk teve sua primeira empresa fundada em 2003 na cidade de Sinop. As demais organizações começaram a ser criadas para atender as demandas de matéria-prima de todo grupo. O grupo atuava no setor de indústria de estruturas metálicas, com atividades mais centradas no setor da agricultura, atendendo a fazendas do norte do Estado com a construção de armazéns para estoque de produção. 

Segundo a ação, as empresas possuem um débito total de R$ 14.232.339,31 com três tipos de credores. São R$ 570.770,96 em débitos trabalhistas, R$ 8.065.858,01 em débitos com garantia real e R$ 5.595.710,34 em débitos quirografários. 

O Grupo Camianski, conforme o pedido de recuperação, passava por uma situação financeira estável até que surgiu a necessidade de construção de duas sedes empresariais. Consta no pedido que por conta da aquisição de empréstimos para realização das obras a empresa começou a se endividar.

Outro fator que teria levado o grupo à bancarrota foi à concorrência considerada desleal. Pois, de acordo com a ação, empresas concorrentes possuíam o benefício de isenção tributária por meio do Prodeic (Programa de Desenvolvimento Industrial e Comércio) enquanto a recuperanda não. O grupo chegou, inclusive, a constituir um empresa para receber o benefício.

Apeasar de acatar o pedido de recuperação judicial, o juiz Mario Augusto Machado indeferiu o pedido do Grupo Camianski para a suspensão dos registros de crédito negativado no SPC ou Serasa.

“Nessa situação, ao menos por ora, indefiro os pedidos de manutenção de posse e suspensão de protestos e restrições de crédito. Todavia, com fundamento no art. 52 da Lei nº 11.101/2005, defiro o processamento da recuperação judicial das empresas Estruturas Metálicas Camianski Ltda, JSC Estruturas Metálicas Ltda EPP, Vitória Perfilados de Aço Ltda EPP, Nortão Comércio de Perfilados de Aço Ltda” determinou o magistrado

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet