Olhar Jurídico

Domingo, 19 de janeiro de 2020

Notícias / Geral

Insegurança jurídica sobre Prodeic pode quebrar empresas em Mato Grosso, avalia advogada

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Set 2016 - 08:12

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Insegurança jurídica sobre Prodeic pode quebrar empresas em Mato Grosso, avalia advogada
O Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso poderá ser declarado inconstitucional e, consequentemente, provocar a quebra de diversas empresas. A opinião é da advogada Lorena Gargaglione, especialista na área. A avaliação considera que, caso o incentivo seja declarado inconstitucional, impostos em valores milionários serão cobrados de forma retroativa.

Leia mais:
Defesa de Éder Moraes recorre contra condenação a 12 anos de prisão


O Prodeic em Mato Grosso foi criado pela Lei nº 7.958/2003, regulamentada pelo Decreto 1.432/03, que tem por objetivo contribuir para a expansão, modernização e diversificação das atividades econômicas, estimulando a realização de investimentos, a inovação tecnológica das estruturas produtivas e o aumento da competitividade estadual.

A insegurança jurídica, porém, que acaba por combater os objetivos do Prodeic, pode ser examinada na esfera nacional e regional. Nacionalmente, a concessão deve respeitar a lei complementar nº 24/1975. Assim, é preciso que os Estados da Federação, mais o Distrito Federal, autorizem, à unanimidade, o Prodeic.

“A concessão de benefício fiscal, concedendo isenção ou diminuição de alíquota de ICMS, tem que passar pelo CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária). E tem que ser aprovado por todos os estados, mais o Distrito Federal. Mas é lógico que não é interesse dos outros estados aprovarem benefício fiscal em Mato Grosso”, explicou a advogada em entrevista ao Olhar Jurídico.

Ao constatar a falta de autorização do CONFAZ, o Ministério Público de Mato Grosso encaminhou ofício ao procurador Geral da República, informando a existência de vícios. Em contrapartida, o procurador solicitou informações acerca da lei que concede o benefício.

“Fica claro que, caso o Prodeic venha a ser objeto de ação direta de inconstitucionalidade, sendo declarada inconstitucional, o ato que concedeu o benefício será revogado. Além de perderem o benefício fiscal, terão que recolher o imposto não pago”, explicou a advogado. Para Gargaglione, os prejuízos seriam na casa de milhões.

“Benefícios considerados irregulares retroagem desde a época do nascimento. Ou seja, todo mundo que teve benefício vai ter que pagar os anos. O risco jurídico e a insegurança jurídica para as empresas, hoje em dia, em Mato Grosso, que tem benefício, é exorbitante o prejuízo”, esclareceu.

Em Mato Grosso, os beneficiados estão passando por rompimentos unilaterais de contratos. “A nível estadual, o governo vêm descredenciando várias empresas, de ofício, ou seja, as empresas não tem oportunidade de contraditório e ampla defesa. Para os empresário que tem Prodeic, a situação está instável”.

As seguidas operações contra corrupção desencadeadas pelo Ministério Público de Mato Grosso parecem influenciar no fim do Prodeic. A operação Sodoma, por exemplo, prendeu o ex-governador Silval Barbosa por supostas fraudes na concessão do benefício.

“O que me parece é que o Governo do Estado tem visto as empresas que conseguiram o benefício nos últimos quatro anos como sonegadoras. Então as empresas perderam a credibilidade. Muitas dessas empresas não tem nada com as operações. Não receberam benefício de forma irregular e preenchem todos os requisitos”, disse Gargaglione.

Para evitar a celeuma jurídica, na opinião da advogada, deve prevalecer a segurança jurídica e a boa fé sobre o princípio da legalidade, “[...] na medida em que a concessão do benefício já criou situação de fato e de direito”.

“As empresas que queiram se manter no benefício, tem que entrar com ações individuais. O Judiciário e o Tribunal de Justiça de Mato Grosso tem acatado e mantido os Prodeic cancelados de ofício. Isso quando as empresas comprovam que estão cumprindo as obrigações”, finalizou a advogada.

Atualmente 583 benefícios estão ativos. O número de contratos suspensos é 195.

14 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • falou besteira
    13 Set 2016 às 09:07

    as empresas desenquadradas sao aquelas que nao estao cumprindo os requisitos da lei bem como nao possuem previsao legal de permanecer no mesmo!!! o que o Governo atual esta fazendo é apenas corrigindo e saneando as irregularidades, ilegalidades e omissoes deixadas pelo governo passado, em outras palavras acabando com a farra do boi!

  • Admirado
    13 Set 2016 às 08:35

    Com todo respeito, Excelência, extremamente bela. Realmente muito linda.

  • cidadão
    13 Set 2016 às 06:30

    Lindíssima e inteligente, pena que está do lado errado deste polo.

  • cidadão
    13 Set 2016 às 06:27

    O PRODEIC foi criado para desenvolver o Estado de Mato Grosso, o qual dá tratamento diferenciado àqueles que em contra partida, se comprometeram gerar empregos ,investir dentro do Estado, e no entanto, só promoveu o enriquecimento ilícito daqueles que não precisam de benefícios fiscais, em detrimento daqueles que trabalham e produzem,suportando toda esta carga tributária impraticável. A inconstitucionalidade é óbvia, pois os critérios para o enquadramento são só de fachada, e ainda, uma vez dado o beneficio, não há controle algum sobre as obrigações assumidas. Mudem os critérios, estendam a todos àqueles que realmente irão dar retorno social.

  • FUNEDS
    12 Set 2016 às 20:54

    De novo? Agora com PRODEIC também? É, estamos todos FUNEDS meus caros contribuintes de MT. Detalhe: denúncias saídas do próprio MT, fogo amigo. Que situação

  • Yzelman Afonso
    12 Set 2016 às 19:09

    Na minha opinião, caso se comprove irregular, o governo estadual é quem deve arcar com supostos prejuízos causados pelo programa. Contudo, a que se observar o quanto o Estado cresceu em arrecadação, investimentos privados em infraestrutura, geração de empregos e e benefícios sociais ao longo de todo o programa.

  • Yendis R. Costa
    12 Set 2016 às 17:49

    Exclente apontamento feito pela Dra. Lorena Gargaglione, narrou com propriedade a Lei 7.958/2003. Elegância e educação em pessoa.

  • Curimbatá
    12 Set 2016 às 11:37

    Estilo gótico da advogada. Interessante!!!!

  • RGA
    12 Set 2016 às 11:35

    PRODEIC? Quero é saber do meu RGA!

  • claudio
    12 Set 2016 às 10:15

    gata demais

Sitevip Internet