Olhar Jurídico

Segunda-feira, 17 de junho de 2019

Notícias / Tributário

Justiça bloqueia R$ 17 milhões de empresa por dívida de ICMS

Da Redação - Jardel P. Arruda

09 Mar 2017 - 17:16

Justiça bloqueia R$ 17 milhões de empresa por dívida de ICMS
O juiz Pedro Flory Diniz Nogueira, da Comarca de Alto Taquari, acatou medida cautelar cautelar fiscal proposta pela Procuradoria Geral do Estado (PGE)  para bloquear mais de R$ 17 milhões de uma empresa do ramo de rações, sementes e embalagens e seu proprietário, com objetivo de garantir o recebimento de uma dívida tributária.

Leia mais:
Com dívida de R$ 3 milhões em impostos, Justiça mantém bloqueio de bens de empresa que comercializava máquinas para transporte

A empresa tem uma dívida tributária no valor de R$ 17.592.302,07 com o Estado de Mato Grosso. Segundo informações da assessoria de imprensa da PGE, o valor se origina da omissão de recolhimento do ICMS e outras infrações.

De acordo com o procurador do Estado, Luiz Alexandre Combat, integrante do recém criado Grupo de Inteligência e Recuperação Fiscal (Grif), a empresa já encerrou suas atividades e não deixou rastro do seu paradeiro. A ação do Girf descobriu que o responsável pela empresa se mudou para Mineiros, cidade no interior de Goiás.
 
“A Medida Cautelar Fiscal é importante instrumento de combate à sonegação fiscal. Por meio dela, a Procuradoria antecipa-se ao sonegador. Ao primeiro indício de fraude ou de qualquer ato deliberado com intuito de deixar de pagar os tributos devidos ao Estado, o Estado responderá imediatamente com o bloqueio e indisponibilidade de bens dos responsáveis”, explicou Luiz Combat.
 
Segundo o Subprocurador-Geral Fiscal, Leonardo Vieira de Souza, existem outras medidas cautelares fiscais ajuizadas e investigações sendo realizadas pelo Girf. “Nossa equipe de inteligência tem identificado devedores em situação clara de fraude fiscal ou encerramento das atividades sem pagamento das dívidas com o Estado. Já ajuizamos mais quatro ações no mesmo sentido que somam dívidas de ao todo quase 65 milhões de reais. E não vamos parar até que todos os devedores contumazes do Estado tenham sido atingidos”, informou Leonardo Vieira de Souza.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    10 Mar 2017 às 19:12

    Mas a gente já paga imposto quando compra não precisava pagar quando vende, e outra eu acho demais cobrar um valor desse, quer cobrar imposto cobra, mas esse valor é para quebrar acabar com a empresa, extinguir de vez seria melhor receber menos sempre do que quebrar a empresa de vez

  • lui
    10 Mar 2017 às 07:40

    NESTE PAIS ALEM DOS LADROES, QUE ROUBAM DINHEIRO PUBLICO, EXISTEM OS SONEGADORES, ROMBO DA PREVIDENCIA CONFORME A MIDIA MAIS DE 400 BILHOES, E NO MATO GROSSO 17 MI, SOMENTE COM ESTA EMPRESA, DEMONSTRA QUE A FISCALIZACAO E A COBRANCA E FALHA.

Sitevip Internet