Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Notícias | Administrativo

CNJ

Juiz demitido por beber em audiência e dar “cavalo-de-pau” no fórum tenta absolvição

Foto: Da Assessoria

Juiz demitido por beber em audiência e dar “cavalo-de-pau” no fórum tenta absolvição
O ex-juiz Ariel Rocha Soares, que atuava na Comarca de Tabaporã (640 km ao Norte de Cuiabá) e foi demitido por comparecer embriagado em audiências, impetrou pedido de reconsideração no Conselho Nacional de Justiça buscando por sua absolvição. A matéria consta em pauta para ser julgada nos dias 18 e 25 de abril.

Leia mais:
Ministério Público investiga 481 cargos e verba indenizatória em Câmara de Cuiabá


O Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) demitiu, por unanimidade, o juiz. Conforme os autos, a bebida era levada para o gabinete por um empregado de um bar que ficava ao lado do fórum. 

O magistrado foi denunciado na corregedoria do TJ pela promotora Roberta Sanches, da comarca de Tabaporã. Além do uso da bebida, Soares também foi acusado e condenado por morosidade processual, conduta incompatível com a magistratura e por ter feito “cavalo-de-pau” com seu carro no pátio do fórum.

A relatora do processo foi a desembargadora Maria Erotides Kneip Baranjak, que em seu parecer afirmou, baseada nos depoimentos colhidos pela promotora, que “ficou comprovado que o juiz se embriagava durante o trabalho”.

De acordo com os autos do Processo Administrativo Disciplinar (PAD), testemunhas informaram que por diversas vezes chegavam sentir o “cheiro de álcool” no hálito do juiz.

Uma das testemunhas disse que uma vez se negou a participar de uma audiência que o juiz estava bêbado e constrangendo as partes. 

Ainda de acordo com os autos, Soares realizou “cavalos-de-pau” no estacionamento do fórum gerando pânico nos servidores. Em sua defesa o juiz disse que havia comprado um carro novo mas não sabia dá cavalo-de-pau e afirmou que “deu apenas uma derrapada”.

Conforme regimento interno do Conselho Nacional de Justiça, onde Ariel Rocha Soares aguarda julgamento, “poderão ser revistos, de ofício ou mediante provocação de qualquer interessado, os processos disciplinares de juízes e membros de Tribunais julgados há menos de um ano do pedido de revisão”.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet