Olhar Jurídico

Quarta-feira, 17 de julho de 2019

Notícias / Trabalhista

Justiça do Trabalho condena enfermeira que queria ser indenizada sem apresentar provas

Da Redação - Lázaro Thor Borges

25 Abr 2017 - 09:25

Justiça do Trabalho condena enfermeira que queria ser indenizada sem apresentar provas
Uma enfermeira que ingressou com ação trabalhista para ser indenizada por acumular a função de maqueira quando trabalhava em uma clínica de diagnóstico de imagens teve pedido negado pela Justiça e foi condenada por 'litigância de má-fé'. A juíza responsável pelo processo, Leda Borges, chamou de 'oportunismo' o pedido da trabalhadora. 

Justiça obriga Unic a pagar hora atividade de professores que tiveram benefício cortado

Ela trabalhou entre maio e novembro de 2015 na empresa onde, segunda ela, acumulou funções, foi exposta a agentes insalubres e em sobrejornada e nunca ter gozado de intervalos intrajornada. Ela pedia ainda indenização por danos morais por não ter recebido os valores referentes ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Apesar da técnica de enfermagem ter apresentado pedido de horas extras, a empresa apontou jornada diferente com registros de horários de pontos. Pelo documento, ficou comprovado que eram concedidos os intervalos e não havia horas extras pendentes de pagamento.

A trabalhadora contestou os documentos, no entanto não trouxe provas suficientes para desconstituí-los, avaliou a juíza Leda Borges, em atuação na 8ª Vara do Trabalho de Cuiabá. Com base nos documentos e testemunhas verificou-se que a jornada alegada pela técnica de enfermagem não pode ser verdadeira já que ela trabalhava em um segundo emprego.

Ao julgar a ação, a magistrada também ficou convencida de que não havia acúmulo de função. Isso porque, em seu próprio depoimento, a trabalhadora afirmou que apenas auxiliava os pacientes após exames e quando transferia os pacientes na maca, eram em distâncias pequenas. “Nota-se, em verdade, um grande oportunismo da reclamante que persegue o recebimento de valores que não lhe são devidos. À míngua de provas que a reclamante exercesse a função de "maqueira", indefiro o pedido de condenação da ré ao pagamento de "plus" salarial’, afirmou a magistrada.

O adicional de insalubridade também foi negado já que os valores já haviam sido quitados, conforme ficou comprovado. O dano moral pela falta de pagamento do FGTS e INSS, também foi negado pois não foram apresentadas provas suficientes.

Por todos estes motivos a trabalhadora foi condenada ao pagamento de multa por litigância de má-fé, por ajuizar ações requerendo direitos que ela já sabia não merecer.  Segundo a magistrada, ela cometeu ato ilícito ao indicar jornadas que não eram verdadeiras e mentir deliberadamente durante o processo.

Segundo a magistrada, ao infringir a norma de ordem pública, atuando com má-fé, a trabalhadora deve ser penalizada, independentemente de a parte contrária ter tido algum dano. “No caso em  tela,  entendo  que  a  exequente  agiu  de  má-fé  ao  indicar jornadas conflitantes em contratos de trabalho concomitantes, para a reclamada e para outra empresa, e, via de consequência, praticou um ilícito, conforme estatui o artigo 187, também do Código Civil, que diz: Também comete  ato  ilícito  o  titular  de  um  direito  que,  ao  exercê-lo, econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim costumes".

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    04 Mai 2017 às 14:09

    trabalham e depois querem receber em dobra levar vantagens uma pessoa não pode estar em 02 lugares ao mesmo tempo isso é bem lógico, a litigancia de má fé deve ser aplicada em todos esses casos ,mas nem sempre é assim e deveria pagar as custas do processo também

Sitevip Internet