Olhar Jurídico

Quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Notícias / Trabalhista

​Trabalhador alvo de brincadeira leva centenas de ferroadas de vespas e é indenizado

Da Redação - Arthur Santos da Silva

26 Mai 2017 - 14:53

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

​Trabalhador alvo de brincadeira leva centenas de ferroadas de vespas e é indenizado
A Justiça determinou o pagamento de R$ 3 mil a um trabalhador que sofreu ferroadas de vespas no ambiente de trabalho.   

Leia mais:
Magistrado decreta falência da rede de supermercados Compre Mais após falhas em recuperação


Naquele dia era ele o alvo das piadas entre os colegas de trabalho, em uma empresa de energia renovável, na zona rural de Alto Araguaia, município a 420km de Cuiabá, na divisa de Mato Grosso com Goiás.

Em meio à chacotas e ameaças inconsequentes, um deles jogou em sua direção uma lata cheia de cotésia, uma espécie de vespa utilizada na empresa para controle biológico de praga nas lavouras de cana de açúcar.

O resultado daquela “brincadeira” de mal gosto foi um trabalhador com inúmeras ferroadas.  Todo empolado e com dores por todo o corpo, implorou por ajuda ao líder do seu setor para levá-lo à usina, mas nada foi feito.

Em desespero, saiu pelo campo caminhando por sete quilômetros, embaixo do sol e aguentando as consequências do ataque de vespa. Ao chegar na usina, lavou-se na tentativa de amenizar a ardência e ainda teve que aguardar até o fim do dia para poder entrar no ônibus da empresa e chegar na cidade. Só então pode procurar um hospital para tratar as feridas.

Foi medicado e retornou ao trabalho no dia seguinte, mas voltou a passar mal por causa das picadas e foi levado para o Hospital de Alto Taquari, onde o médico atestou a necessidade de repouso de três dias. Aquele tipo específico de vespa é inimiga natural de outros insetos que se alimentam de planta e podem causar muitos problemas para suas vítimas. Uma colônia de vespinhas com 40 mil indivíduos, por exemplo, pode capturar mais de mil lagartas broca-da-cana por dia.

Como se não bastasse, o trabalhador levou uma suspensão por ter se envolvido na confusão e ainda teve seu pedido de ajuda para custeio da medicação negado pela empresa. Pagou tudo do seu próprio bolso.  Por fim, recorreu à Vara do Trabalho de Alto Araguaia, que reconheceu os danos sofridos e a omissão da empresa.

Os empregadores foram condenados a pagar indenização por danos morais e materiais de 3 mil reais. “É de notório conhecimento que o ataque de insetos pode causar até a morte, caso a vítima possua sintomas decorrentes, como  alergias,  mas  como  vimos  a  empresa  não  se  preocupou  com  eventuais consequências futuras que poderiam advir para o trabalhador”, ressaltou o juiz de Alto Araguaia, Juarez Portela.

A empresa recorreu da decisão ao Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT), mas a 1ª Turma manteve a sentença.

Horas in itinere no trabalho rural

Além dos danos morais e materiais, o trabalhador também buscou a justiça trabalhista para cobrar as horas que gastava no deslocamento entre sua casa e o local de trabalho, período conhecido no mundo jurídico como horas in itinere.

Para chegar ao seu local de trabalho, ele gastava em média 1h30min para ir e voltar, em uma região que não era servida por transporte público. Ao final do dia ainda aguardava a condução para o retorno por cerca de 30 minutos.

Apesar de somarem três horas de deslocamento, as horas in itinere eram pagas apenas sobre uma hora, conforme previa o Acordo de Convenção Coletiva da categoria.

 Ocorre que, o tempo gasto pelo empregado em transporte fornecido pelo empregador, de ida e retorno, até o local da prestação dos serviços de difícil acesso e não servido por transporte público regular, deve ser computado na jornada de trabalho, conforme a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Logo, se o tempo de percurso mais as horas efetivamente trabalhadas excederem a jornada normal de trabalho, o excesso deverá ser remunerado como serviço extraordinário. Como a empresa não conseguiu comprovar a existência de transporte público naquele trajeto, a Justiça do Trabalho considerou, em primeira e segunda instância, justo o pagamento das horas de deslocamento.

Isso porque o previsto na Convenção Coletiva de Trabalho não foi admitido pelo judiciário. Segundo o juiz Juarez Portela, o acordo não pode vedar o pagamento ou limitar os horários de trajeto, sob pena de causar prejuízos irreparáveis ao trabalhador, suprimindo direitos. “O tempo de percurso deve ser fixado de forma razoável. Além do mais, em acordos coletivos pode se limitar o tempo as pequenas e médias empresas e não uma grande empresa como a ré”, explicou.

Foi deferida uma hora de intervalo intrajornada, 30 minutos de tempos à disposição e mais 3horas diárias de ida e retorno de horas de trajeto.  As determinações da sentença foram mantidas pela 1ª Turma do TRT/MT.

 

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    29 Mai 2017 às 16:59

    Se um funcionário ofende um colega de trabalho a empresa não tem culpa, ela vai adverti-lo com certeza, mas será uma reação e a empresa não tem que quebrar por causa de uma ofensa que um imbecil praticou.

  • JOÃO
    28 Mai 2017 às 06:40

    BOM ? , naverdade este funcionario irã sofrer punicão de se empregador , por exemplo rua

  • Ilse
    27 Mai 2017 às 14:44

    Se o trabalhador brasileiro tivesse as mesmas condições de um trabalhador de primeiro mundo e principalmente o salário pago por lá, não haveria de ser necessário, assim como empregadores menos usurários e muquiranas, tudo seria diferente por aqui. SQN.

  • ANDREA
    27 Mai 2017 às 12:35

    só 3 mil??? que absurdo ele ter passado por tanto sofrimento e humilhação e receber só isso?? essa justiça é cega mesmo hein...afff

  • Arvelio
    27 Mai 2017 às 12:26

    A responsabilidade é da empresa de tudo que acontece em seus "domínios ". Parabéns a justiça do trabalho.

  • Trabalhador
    27 Mai 2017 às 08:14

    Enoque que a empresa tem a ver com a brincadeira dos funcionários, uma salva de palmas ao circo que é a indústria lotérica que ainda assim chama se justiça do trabalho. O país é o único que existe esse ministério não tem como sair da merda se a loteria não terminar, parabéns aos Deuses que julgam, quer diZer que julga na verdade são os acessores dos deuses, Brasil o país piada, oremos.

  • KAROL
    26 Mai 2017 às 21:54

    Tres mil reais, é muito pouco para uma situação dessa

  • luis
    26 Mai 2017 às 16:16

    só 3.000,00 , muito pouco, se ele fosse alérgico as ferroadas poderia ter morrido

Sitevip Internet