Olhar Jurídico

Sexta-feira, 04 de dezembro de 2020

Notícias / Criminal

Perri afirma que 70 mil telefones foram interceptados em MT: "número é estarrecedor"

Da Redação - Arthur Santos da Silva

14 Set 2017 - 17:09

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Perri afirma que 70 mil telefones foram interceptados em MT:
O desembargador Orlando Perri expôs nessa quinta-feira (14) que cerca de 70 mil telefones sofreram interceptações telefônicas em Mato Grosso entre os anos de 2014 e 2017. O magistrado considera o número como algo estarrecedor e prega readequação sobre o emprego do procedimento. Veja vídeo no final da matéria. 
 
Leia mais:
Veja lista de conselheiros e deputados alvos da Malebolge e o que Silval diz sobre cada um deles


Os números foram informados em sessão plenária que discute o recebimento da ação penal referente aos grampos. Foram denunciados pelo Ministério Público três coroneis, um tenente-coronel e um Cabo da PM.
 
A denúncia refere-se apenas aos delitos previstos na Legislação Militar. Os acusados são: Zaqueu Barbosa, Evandro Lesco, Ronelson Barros, Januário Batista e Gerson Correa Junior.
 
Conforme o desembargador, a operadora de telefonia Claro informou que 1940 ordens de interceptações foram recebidas desde 2014. A Tim recebeu cerca de 1200. OI aproximadamente 1304. A operadora Vivo ainda não informou os dados. Todas as ordens totalizariam, de forma discriminada, cerca de 70 mil números de telefones.
 
Legislação vigente salienta que não será admitida a interceptação de comunicações telefônicas quando ocorrer as seguintes hipóteses: não houver indícios razoáveis da autoria ou participação em infração penal; a prova puder ser feita por outros meios disponíveis; o fato investigado constituir infração penal punida, no máximo, com pena de detenção.
 
Em qualquer hipótese deve ser descrita com clareza a situação objeto da investigação, inclusive com a indicação e qualificação dos investigados.

A interceptação das comunicações telefônicas poderá ser determinada pelo juiz, de ofício ou a requerimento da autoridade policial, na investigação criminal; do representante do Ministério Público, na investigação criminal e na instrução processual penal.

Segundo Orlando Perri, o grande número de interceptações comprova o desecardo do procedimento em relação à legislação.

O caso

Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.

O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
  
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.

Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.

Veja vídeo em que desembargador fala dos grampos

 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet