Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de junho de 2019

Notícias / Criminal

STF determina que inquérito contra Maggi por suposto esquema de R$ 12 milhões seja redistribuído

Da Redação - Arthur Santos da Silva

06 Out 2017 - 09:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

STF determina que inquérito contra Maggi por suposto esquema de R$ 12 milhões seja redistribuído
O Ministro Edson Fachin encaminhou inquérito contra Blairo Maggi a Carmén Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, para que os autos sejam redistribuídos. A investigação versa sobre supostos pagamentos irregulares na ordem de R$ 12.000.000,00 efetuados pela empresa Odebrecht em 2006.
 
Leia mais:
Justiça agenda testemunhos do 'escândalo Caramuru Alimentos'; fraude de R$ 65 milhões


O Inquérito inicialmente foi distribuído a Fachin levando em conta a prevenção dos processos ligados a Operação “Lava Jato”. Ocorre que não há obrigatoriedade de distribuição por prevenção em questões assentadas exclusivamente em delações premiadas. Aparentemente as acusações contra Maggi não possuem fatos conexos com objeto da investigação, em seu cerne, crimes na Petrobras.
 
As acusações surgiram em delação premiada do executivos João Antônio Pacífico Ferreira e Pedro Augusto Carneiro Leão Neto, funcionários da construtora que firmaram delação premiada.
 
Segundo os colaboradores, Maggi usaria os valores para pagamento de dívidas de campanha de quando concorria ao governo do Estado. Os repasses foram implementados por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht.
 
O Grupo Odebrecht detinha créditos em relação ao Estado de Mato Grosso, decorrentes de obras públicas realizadas anteriormente, os quais, embora reconhecidos administrativa ou judicialmente, não eram honrados em razão da incapacidade financeira.
 
Esse cenário motivou a formação de Comissão Especial que objetivava angariar repasses da União para fazer frente a esses créditos, sendo fundamental a atuação dos agentes públicos estaduais para acelerar os trabalhos da Comissão. Ainda segundo delação, o agente escolhido em mato grosso foi o ex-secretário de Estado Eder Morais Dias.
 
Conforme delatores, foi Eder o personagem responsável opor requerer o pagamento de vantagem indevida a fim de propiciar o recebimento dos créditos em comento. Ainda conforme delação, Eder inclusive teria mencionado que o pedido era de conhecimento do então Governador, surgindo o repasse de R$ 12.000.000,00.
 
A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, decidira sobre a livre distribuição do processo. 

A assessoria de Blairo Maggi afirmou que não falará sobre o caso.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • MANECA RIBAS
    06 Out 2017 às 16:09

    ESTE CARA DE GATO TEM MUITOS DEVIOS A EXPLICAR A JUSTIÇA

  • joao
    06 Out 2017 às 10:36

    Vê como são as coisas, ainda é ministro no neste país, onde até o presidente da república é denunciado. Se fosse num país sério já estaria preso.

  • Xuxa
    06 Out 2017 às 10:04

    Só falta ir pro Gilmar ??????

Sitevip Internet