Olhar Jurídico

Quinta-feira, 20 de junho de 2019

Notícias / Criminal

"Desde 15 de setembro AL poderia ter votado soltura de Fabris", dispara defesa

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

25 Out 2017 - 10:50

Foto: Rogério Florentino/OlharDireto

Gilmar Fabris e sua mala preta.

Gilmar Fabris e sua mala preta.

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) já poderia ter decidido soltar ou não o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) desde o dia 15 de setembro, avalia o advogado do parlamentar, Zaid Arbid. Ao Olhar Jurídico, na manhã desta quarta-feira (25), a defesa explicou o procedimento tomado pela Casa de Leis e os desdobramentos legais da decisão. Fabris deverá deixar ainda hoje o Centro de Custódia da Capital (CCC), onde está preso preventivamente desde o dia 14 de setembro.

Leia mais:
Mesa Diretora colhe assinatura de deputados e tenta garantir soltura de Fabris ainda hoje


A decisão da AL nesta terça-feira (24) foi unânime: soltura do colega Gilmar Fabris (PSD), acompanhando o parecer da Comissão de Ética do Legislativo, formulado pelo corregedor, deputado Saturnino Masson (PSDB), que além de revogar a prisão, devolveu o cargo de deputado ao parlamentar afastado.

Para a defesa do parlamentar, resta a liberdade com o gosto amargo da tardança. Fabris poderia ter deixado a prisão há 40 dias, conforme explica Arbid. “Tenho aqui o Ofício assinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, de 15 de setembro, transferindo para a AL o poder de decisão sobre a manutenção ou não da prisão do deputado”.

Ou seja, desde 15 de setembro estava nas mãos dos colegas de Fabris a decisão de soltá-lo ou não. Por que então seu cliente ficou "tanto tempo" preso, aguardando pela votação que se deu somente em 24 de outubro? O advogado nega especular. “A prisão foi decretada no dia 14 e desde o dia 15 a AL poderia ter votado (a soltura do parlamentar). Mas, é o tramite interno, não é? A AL tem seu trâmite interno e a decisão só ocorreu ontem...”.

Provocado a explicar melhor, defende a AL. “Não vou dizer que ele poderia (efetivamente ter sido liberto desde o dia 15 de setembro), mas os Poderes têm a ordem natural do trabalho. É um caso atípico, vamos pegar aí na imprensa nacional, quantos dias o Supremo e o Senado gastaram para decidir sobre a questão do senador Aécio Neves (PSDB)? Não podemos transferir à AL uma passividade que é decorrente do próprio trabalho e que também contemplamos no Senado Federal”.

Sobre a soltura de Fabris, Zaid outorga à gestão administrativa da "Casa de Leis" responsabilidade sobre o procedimento. “Eles precisam agora fazer a Comunicação ao Supremo Tribunal Federal, ao relator originário, Luiz Fux. Também devem comunicar o relator a quem foi remetido os autos, o desembargador do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, Ney de Barros Bello Filho. Não que dependamos deles para a liberação do deputado, não. A AL estará apenas comunicando da decisão”.

Em outras palavras, STF e TRF "não têm que fazer mais nada, têm apenas que saber que a prisão não existe mais. A AL deverá comunicá-los pelo correio eletrônico, mas já não há dependência do Poder Judiciário para proceder e executar a decisão (soltura). Ou seja, desde ontem à tarde, o deputado Gilmar Fabris (PSD) está em pleno exercício de seu mandato e já deveria estar em liberdade...”, queixa-se.

Na manhã desta quarta-feira (25), a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso coleta assinaturas dos deputados Estaduais que votaram pela soltura de Fabris (PSD) para comunicar o Judiciário Estadual da decisão, na tentativa de garantir a liberdade do parlamentar ainda hoje.

Com todas as assinaturas em mãos, um procurador do Legislativo será designado para ir até o juiz da Vara de Execução Penal, Geraldo Fidélis, para informá-lo da decisão do plenário.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Juno
    26 Out 2017 às 08:02

    Pode até ser legal, mas ético não é. E o mais interessante é quem decide soltar o sujeito é exatamente uma comissão de ética. Essa comissão deveria ter outro nome, exceto comissão ética, porque de ético não há nada deste ato. Mas uma coisa é certa, este vai ter receio de dormir de pijama pro resto da vida.

  • PACHECO
    26 Out 2017 às 06:13

    como-vemos-pode-ser-a-cela-ou-AL-os-crimes-sem-puição

  • manolo
    26 Out 2017 às 05:05

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • JHOY
    25 Out 2017 às 18:26

    perdeu uns quilinhos, devia agradecer.

  • alexandre
    25 Out 2017 às 12:26

    Cada um responde pelos seus atos....

  • cramulhão
    25 Out 2017 às 11:54

    E a coragem? Todo mundo com o fufú na mão.

  • carlos
    25 Out 2017 às 11:34

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet