Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Entrevista da Semana

Eleições 2018: Sakamoto pede 'bom senso' a políticos-réus: 'cada um sabe o crime que cometeu'

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

24 Dez 2017 - 11:11

Foto: Rogério Florentino/OlharDireto

PEDRO SAKAMOTO

PEDRO SAKAMOTO

Desde quando aplicado o instituto da Delação Premiada no combate às organizações criminosas, tem-se tornado cada vez mais comum a judicialização das eleições. Neste quesito, Mato Grosso não é apenas exemplo, como destaque. Determinada figura presa dedura outra, que dedura seus pares e quando percebemos o Centro de Custódia da Capital (CCC) torna-se uma extensão da Assembleia Legislativa ou do Palácio Paiguás. Pouco tempo depois ela é solta e lança-se em campanha. O resultado é o indeferimento e até mesmo a cassação do candidato eleito.

Leia mais:
MP investiga 'negócio suspeito' de R$ 7,7 mi entre ministro Gilmar Mendes e Silval Barbosa, revela IstoÉ

Para o vice-presidente e Corregedor do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), desembargador Pedro Sakamoto espera-se do político réu “bom senso” para evitar a tentação de lançar-se às urnas.

“A partir do momento que houver condenação em Segundo Grau por ato de improbidade, isto é, um julgamento colegiado, como do Tribunal de Justiça, automaticamente o cidadão passa a ser inelegível, se houver pedido de registro neste sentido, ele será negado”, explica Sakamoto ao Olhar Jurídico.

Enquanto não for condenado pelo colegiado, frisa o desembargador, qualquer réu é apto a lançar-se em campanha. “Enquanto condenado apenas na primeira instância, ele tem a possibilidade de efetuar o registro, posteriormente poderá ocasionar a inelegibilidade, porém só após o julgamento em Segunda Instância”.

Questionado se é provável que em Mato Grosso elejamos cidadãos que amanhã poderão ter posse indeferida por condenação na justiça, Sakamoto admite a possibilidade. “Poderá ocorrer, poderá, mas é só uma possibilidade”.

“Acredito que muitos cidadãos já sabendo das conseqüências e tendo prévio conhecimento de que havendo condenação em Segundo Grau, por colegiado, ele poderá perder seu diploma, poderá ter sua candidatura cassada, ele pensará duas vezes antes de se candidatar. Sem dúvida é preciso ter bom senso, se ele já vê probabilidade de ser condenado em Segundo Grau... cada um sabe o crime que cometeu, não vai ser surpresa se a condenação vir futuramente”.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ZE NINGUEM
    26 Dez 2017 às 18:27

    BOM SENSO O ESCAMBAL. A JUSTICA É QUE TEM QUE PUNIR E PRONTO. QUE NIVEL CHEGAMOS. TA ERRADO O POLITICO, PUNE, CAÇA, PRENDE. É DE DAR NOJO ESSA FALA DO BOM SENSO. QUE NOJO DESSE BRASIL

  • ezequiel paixao
    26 Dez 2017 às 10:57

    Mais importante do que bom senso aos políticos, seria "bom senso" aos magistrados que soltam todos os políticos corruptos e com dinheiro.

  • Nascimento
    26 Dez 2017 às 10:09

    Quem tem bom senso são pessoas de bem, não corruptos. Estes devem pagar pelos crimes cometidos.

  • Carlos Rodrigues
    25 Dez 2017 às 15:14

    Pedro Mendes Sakamoto.kkkkkkkkkk

  • Paula
    24 Dez 2017 às 19:02

    O judiciário não tem que pedir bom senso pra criminoso. Chega a ser uma imbecilidade essa fala. O mau político tem que sentir o peso da lei, nada além disso.

  • Critico
    24 Dez 2017 às 18:18

    Dr Pedro sakatroco é sério kkkkkkk

Sitevip Internet