Olhar Jurídico

Domingo, 21 de abril de 2019

Notícias / Criminal

Selma vê delação de Nadaf como útil e livra ex-secretário de pena de 21 anos e 8 meses

Da Redação - Arthur Santos da Silva

18 Dez 2017 - 13:55

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Selma vê delação de Nadaf como útil e livra ex-secretário de pena de 21 anos e 8 meses
Diferente da delação "seletiva" de Silval Barbosa, o ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf, não poupou comparsas. Foi eficaz e útil. O relato é da juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado, em sentença da última sexta-feira (15). Nadaf se livrou de uma pena de 21 anos e oito meses. O ex- membro do Poder Executivo cumprirá apenas 7 anos, dois meses e 27 dias de reclusão, em regime semi aberto.
 
Leia mais:
Selma diz que Silval não foi sincero em delação, mas condenação a 13 anos será em regime domiciliar


O processo proveniente da primeira fase da operação Sodoma julgou o ex-secretário por organização criminosa, concussão e lavagem de dinheiro.
 
Logo no início da dosimetria, Selma afirmou que  “a culpabilidade é elevada por tratar-se o condenado de pessoa que demonstrou ter muita desenvoltura com a prática de ilícitos desta espécie”.

A juíza considerou que, assim como seu líder Silval Barbosa, Pedro Nadaf foi um dos principais articuladores dos esquemas ilícitos.
 
A sentença, porém, não desconsiderou a delação firmada. “Pedro Jamil Nadaf foi o primeiro agente público a celebrar acordo de colaboração premiada. Ouvido pelo Ministério Público e posteriormente em Juizo, enfrentou cada uma das acusações sem esquivarse ou dissimular nenhuma declaração”.
 
No caso, as investigações constataram que a antiga Secretaria de Estado da Indústria e Comércio, Minas e Energia (Sicme), atual Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec), concedeu incentivos fiscais, via Prodeic, de forma irregular para empresas.
 
A vítima central apontada no processo foi o empresário João Batista Rosa.  Segundo os autos, a execução de tarefas específicas foi determinada a pessoas de sua confiança, com acesso direto ao palácio do Governo.
 
Além de não dissilumar declarações, conforme Selma Arruda, Pedro Nadaf foi além. “Corroborou algumas provas já trazidas pelo Ministério Público, inclusive documentais, bem como as declarações dos colaboradores, indicando, um a um, quais eram os membros da organização que participaram deste evento, suas atribuições na organização criminosa e que funções desempenharam para o sucesso da empreitada criminosa”.
 
A colaboração em relação a Pedro Nadaf foi, portanto, bastante “útil” e “eficaz”. Como prêmio, o ex-secretário viu sua pena ser reduzida em 2/3. Os mais de 7 anos de reclusão serão cumprido em regime semiaberto.

Pedro Nadaf terá que se recolher no período compreendido entre as 23h e 06h, e durante os finais de semana e feriados entre as 18h às 06h. 

Nomes do processo

No mesmo processo, Silval Barbosa, ex-secretário de Casa Civil,  também foi condenado por organização criminosa, concussão, e lavagem. Marcel de Cursi, ex-secretário de Fazenda, foi condenado por organização criminosa e concussão.
 
Francisco de Andrade Lima Filho, o Chico Lima, procurador do Estado aposentado, foi condenado por organização criminosa e lavagem de capitais. Sílvio Cézar Correa Araújo também foi condenado por organização criminosa.
 
Karla Cecília de Oliveira foi condenada por organização criminosa e lavagem de dinheiro.
 
Chico Lima e Karla foram absolvidos por concussão. Cursi foi absolvido por organização criminosa.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Manolo
    18 Dez 2017 às 14:18

    uma pena de 21 anos e oito meses, cumprirá apenas 7 anos, dois meses e 27 dias de reclusão, em regime semi aberto...Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec), concedeu incentivos fiscais, via Prodeic, de forma irregular para empresas...só uma?

Sitevip Internet