Olhar Jurídico

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Geral

Juiz aponta que servidor desviou R$ 26 mil e ‘compra’ de progressão custava R$ 15 mil

Da Redação - Wesley Santiago

25 Abr 2018 - 14:37

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Juiz aponta que servidor desviou R$ 26 mil e ‘compra’ de progressão custava R$ 15 mil
O juiz Geraldo Fidélis, da 2ª Vara de Execuções Penais de Cuiabá, foi quem denunciou o esquema de fraudes na progressão de pena de reeducandos em Mato Grosso. Um dos seus próprios funcionários de confiança (Pitágoras Pinto de Arruda) seria o braço da organização dentro da Justiça. Ao receber as denúncias, o magistrado descobriu desvios que teriam sido de R$ 26 mil e acionou o secretário de Segurança Pública (Sesp), Gustavo Garcia, para que as investigações fossem iniciadas. Ele também revelou que o pagamento para quem desejasse ‘comprar’ a progressão de pena seria de R$ 15 mil.

Leia mais:
Operação cumpre mandados contra Marcelo VIP, traficante e servidor por fraude para diminuir pena
 
“O Pitágoras trabalhou comigo durante sete anos, o conheci como estagiário. No fim do ano passado, teve várias faltas e problemas. Fiquei sabendo de um detalhe que ele entregou documentos para um bacharel em direito. Achei muito estranho, o chamei e disse para ele que perdi a confiança, pedi sua saída. Ele afirmou que a mãe estava doente e pediu para ficar até janeiro. Eu disse para que ele ficasse, mas não pisasse mais na 2ª vara”, comentou Geraldo Fidelis durante entrevista coletiva.
 
O magistrado ainda explica que, no início de março, a psiquiatra que presta serviços à Justiça foi receber os honorários pelos trabalhos realizados. Achando a situação estranha, a assessora do juiz o chamou com urgência ao gabinete. Quando ele chegou, ela estava com um documento em mãos, dizendo que o trabalho da profissional já havia sido pago.
 
“O que aconteceu é que este dinheiro não foi dado para a profissional contratada. O documento estava no nome da mãe do Pitágoras. Aquilo fechou o mundo para mim, foi um absurdo. Ele era uma pessoa de extrema confiança minha, o conhecia há sete anos. Mas eu tinha o dever de denunciar e na mesma hora entrei em contato com o secretário de Segurança Pública”, acrescentou o magistrado.
 
No dia seguinte, Geraldo Fidelis afirma que ficou sabendo que “que foram dez levantamentos ao todo de valores, totalizando R$ 26 mil saindo para a mesma fonte [em nome da mãe de Pitágoras]. Com todas as informações, informei a minha corregedora. Foi de maneira triste, mas necessária, era uma pessoa que eu confiava”.
 
“Um tempo depois, fiquei sabendo de uma denúncia grave envolvendo a questão de progressão de regime. Algo grave. Eles falsificavam os documentos para poder fazer esta progressão. O pagamento tinha o valor de R$ 15 mil e diziam que havia pessoas infiltradas na minha vara. Liguei as informações e já sabendo da questão do Pitágoras, resolvi novamente buscar a GCCO, que passou madrugadas analisando informações”, finalizou.
 
Regressus
 
A operação policial comandada pela GCCO cumpriu mandados contra o promotor de eventos Marcelo Rocha, conhecido nacionalmente como “Marcelo Vip”, e contra Márcio da Silva Batista, traficante de drogas com atuação no Rio de Janeiro conhecido como "Porquinho". Ambos teriam fraudado informações com o auxílio de Pitágoras Pinto de Arruda, servidor público da Vara de Execuções Penais, para conseguir remissão de pena. Marcelo é morador de Cuiabá e conhecido por realizar shows de rock na capital.
 
De acordo com as informações levantadas na investigações, o traficante e o promotor de eventos teriam conseguido diminuir pelo menos um ano de pena com informações falsas. Os mandados também são cumpridos em empresas, que teriam passado informações falsas ao Poder Judiciário.
 
A investigação é sedimentada em três inquéritos instaurados na Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), que apuram fraudes processuais para obtenção de progressão de regime, peculato e também lavagem de capitais de reeducandos que progrediram usando documentos falsos.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Graci Ourives
    26 Abr 2018 às 08:26

    Dr Fidélis , por favor tire férias e esqueça tanta maldade que fizeram com V.sa., Agradeca a Deus ,pq mostrou p V.sa ,que ele é covarde.Graci Ourives de Miranda

  • Bird
    26 Abr 2018 às 07:51

    Gravissimo gravissimo e gravissimo a maioria da populacao tinha mais ou menos essa suspeita agora esta evidente e confirmado como funciona o esquema tem dinheiro nao fica preso nao tem azar o seu

  • jana
    25 Abr 2018 às 16:07

    Que isso heim, se nem Juiz pode confiar nos seus braços direito, quem dirá nós, não pode confiar nem na roupa que veste. Voti!!!

  • Liz
    25 Abr 2018 às 15:58

    Denunciou o esquema, do próprio Assessor, mesmo sendo de sua confiança, após sete anos trabalhado juntos, fez o correto. Bem diferente, de um episódio recente, ne?! Entendedores entenderão.

  • Imposto pago retorno zero
    25 Abr 2018 às 15:27

    E POR ISSO QUE FALO DINHEIRO BOM E NO BOLSO DE QUEM TRABALHA IMPOSTO É SINONIMO DE FRAUDE E DESVIO ,UM CAIXÃO CUSTA 200,00 AS FUNERÁRIAS ESTÃO COBRANDO 3000,00 E OS NOSSOS VEREADORES NÃO ABREM ESSA CAIXA PRETA A DÉCADAS

  • Jairo Silveira
    25 Abr 2018 às 15:08

    Quem não viu que o Marcelo Vip ia aprontar? Cara, eram hilárias aquelas colunas dele aqui no OD, mal escritas pra burro, uma coisa fora do normal. O cara é uma fraude ambulante.

  • LUZ
    25 Abr 2018 às 15:00

    Só Jesus na causa as pessoas perderam a noção do certo e do errado. Fazem de ladrões heróis e em todos os lugares vemos essa bandalheira.

Sitevip Internet