Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de julho de 2019

Notícias / Ambiental

Ministério Público Estadual pede suspensão de shows na Arena Pantanal

Da Redação - Vitória Lopes

09 Jun 2018 - 11:45

Foto: Reprodução

Ministério Público Estadual pede suspensão de shows na Arena Pantanal
O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil para apurar a suposta falta de regulamentação para a realização de festas e eventos na Arena Pantanal, considerando que a Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), concedeu a autorização. No documento, o MP encaminha notificação recomendatória à Seduc, para que o Governo pare de alugar/ceder o espaço para esta finalidade. 

Leia mais:
Empresa de saneamento é condenada em R$ 2,7 milhões por fraude e sobrepreço


O inquérito civil foi instaurado no dia 21 de maio, pelo promotor Carlos Eduardo Silva, da 29ª Promotoria de Defesa Ambiental e da Ordem Urbanística.

Conforme o inquérito, a organização da última festa “rave” que aconteceu na Arena, a “Só Track Boa”, realizada no dia 13 de maio, deixou lixo acumulado no local, além da poluição sonora, que prejudicou moradores no entorno do estádio.

“Considerando que a realização de eventos com música ao vivo e som amplificado em local aberto provoca poluição sonora e, por conseguinte, diversos riscos à saúde das pessoas que se encontram expostas a essa danosa situação, estando portanto sujeita a restrições legais de proteção ao meio ambiente, em atendimento à tranquilidade e ao bem estar da comunidade”, diz trecho da portaria.

No dia seguinte após o festival, foi constatado que o gramado foi parcialmente prejudicado, devido à instalação da estrutura do evento. O fato gerou reclamação de dirigentes do Cuiabá Esporte Clube, que tinha um jogo próximo.

Ainda de acordo com a publicação, o promotor determinou que sejam realizadas diligências na Arena Pantanal para verificar a denúncia.

A Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (SEDUC) também foi notificada. “Expedição de notificação recomendatória à SEDUC para que se abstenha de locar/ceder o espaço da Arena Pantanal para a realização de shows altamente sonorizados, como o realizado no dia 13/05/2018, em horários incompatíveis com o sossego e a tranquilidade pública, devendo ser juntado em tal expediente o relatório técnico de avaliação de ruído de evento anteriormente realizado no entorno da Arena Pantanal”, disse.

Outro lado

Ao Olhar Direto, o organizador do evento explicou que toda a preparação foi feita de acordo com as exigências da Secretaria de Educação, Esporte e Lazer (Sael): “Trouxemos uma empresa que trabalha com um piso especializado para os gramados de estádio (easy plan) é a mesma que faz eventos no Allianz Park”.
 

12 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zeca
    11 Jun 2018 às 09:15

    Evento rave, funck e outras não são festas, mas anarquia! Som acima do aceitável, gritaria, briga, palavrões e toda forma de desrespeito ao cidadão, à sociedade e ao meio ambiente. Está certo o MP.

  • Júnior mixtense
    11 Jun 2018 às 07:25

    Parabéns MPE, o governo do estado deveria tomar vergonha na cara e terminar essas obras da copa em vez de ajudar na sua destruição. Pedro Taques abre o olho Outubro tá chegando.

  • Jackson Pereira
    11 Jun 2018 às 05:29

    Antes show musical e jogo de time grande do Rio-São Paulo do que jogo do Cuiabá. Quem torce pra esse clube empresa sem apelo nenhum, detestado por cuiabanos e por imigantes?

  • Dona Jacira
    10 Jun 2018 às 03:51

    Oia meu fii ieu tava terrível de caspa no meu grenho, mas depois desse xampu chá por Deus, nova vida ein? Gostei. Obrigada pela dica. Bjs

  • Juliano
    10 Jun 2018 às 03:48

    Graças a Deus. Que mandem essas festa de drogas pra longe. Aliás isso deveria ser proibido pq as pessoas ficam iguais zumbis quando essa coisa termina.

  • Damião
    10 Jun 2018 às 00:07

    Brincadeira, mete fogo nesse urso branco, já que não tem utilidade ou falta competência para iniciativa pública, em todas esferas....

  • Moacir de Araujo
    09 Jun 2018 às 20:43

    Não adianta combater a poluição sonora e receber auxílio-moradia, auxílio livro, auxílio paletó e outros auxílios vergonhosos, isso sim deve ser combatido.....

  • Gilberto Boesing
    09 Jun 2018 às 19:39

    Ali era o verdao, quem construiu ali perto nao estava preocupado com barulho... vai procurar o que fazer seus marajas do judiciario...

  • Marcelo Cuiabano
    09 Jun 2018 às 19:09

    O MP poderia se atualizar, sair dos gabinetes confortáveis e ir em SP, RJ. GO, Brasilia, Bahia e ver como funciona as arenas, todas fazem shows, para ajudar a manter e não ter que gastar dinheiro publico. Hoje existe empresas especializadas em cobertura de grama e SISTEMA DE SONORIZAÇÃO AMBIENTE que o Som equaliza o som para o ambiente do show. Aos Vizinhos, vocês não sabia que uma arena construída no bairro de vocês não iam causar, barulho de som, fogos, engarrafamento etc??? porque vocês não gritaram antes?? pelo contrario muitos abriram negócios ao redor e foi valorizado os imóveis dessa região.. Enquanto não conseguimos ter um time na elite do futebol temos que realizar grandes eventos na ARENA SIM, ou passe o controle para associação dos camelos que eles criam outro outro CAMELOGRAMO porque o do porto ja esta pequeno.. fica dica.

  • João Edson fanaia
    09 Jun 2018 às 16:40

    Não tem nenhuma igreja interessada na compra da "Arena"? Com a renda "milionária" dos jogos locais, não há como manter este espaço. SOU TOTALMENTE CONTRÁRIO À GASTOS DE RECURSOS PÚBLICOS NA "ARENA". PRIORIDADE DE UM GOVERNO: EDUCAÇÃO, SAÚDE, HABITAÇÃO, SANEAMENTO BÁSICO E TRANSPORTE PÚBLICO DE QUALIDADE.

Sitevip Internet