Olhar Jurídico

Sábado, 20 de julho de 2019

Notícias / Geral

​Por falhas, OAB-MT requer suspensão da obrigatoriedade do uso do PJe na Justiça

Da Redação - Vinicius Mendes

22 Jun 2018 - 17:38

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

​Por falhas, OAB-MT requer suspensão da obrigatoriedade do uso do PJe na Justiça
A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) protocolou na última quarta-feira (20) um requerimento ao Tribunal de Justiça para a suspensão imediata do uso obrigatório do sistema nos juízos de primeiro e segundo graus. O motivo seria por causa das constantes falhas de acesso, erros de protocolo e lentidão registrados no Processo Judicial Eletrônico (PJe) na Justiça Estadual.
 
Leia mais:
OAB-MT exige da PGE tabela para pagamentos de R$ 40 milhões para advogados dativos
 
O requerimento foi redigido pela Comissão de Direito Eletrônico (Codel) da OAB-MT, diante das reclamações unânimes da advocacia de Mato Grosso.
 
Desde o início de junho, quando as falhas de funcionamento se tornaram crônicas no Estado, a OAB-MT vem mantendo contato com o Tribunal de Justiça para cobrar explicações sobre as avarias no sistema e providências que garantissem o restabelecimento do PJe nas comarcas nas quais está implantado. 
 
No último dia 13, o presidente da Codel, Gonçalo Adão, reuniu-se com o presidente do Comitê Gestor do PJe, o juiz auxiliar da Presidência do TJMT, João Thiago Guerra, quando este explicou que o número de acesso ao sistema triplicou nos últimos três meses, mas que providências estavam sendo tomadas para o devido ajuste.
 
Porém, na última sexta-feira (15), diante das reiteradas reclamações da advocacia, a OAB-MT protocolou novo pedido para que, dessa vez, fossem suspensos os prazos judiciais no PJe no período de 11 a 15 de junho, justamente pela falta de resolutividade dos problemas.
 
“Acontece que chegamos a uma situação caótica no acesso à justiça. Discutimos isso no Colégio de Presidentes e, consta da Carta produzida em Diamantino, que se faz necessária a suspensão da obrigatoriedade do uso do PJe no Estado até que o sistema apresente condições de operacionalização plena, pois o que está acontecendo é o perecimento de direito.  O PJe é um caminho sem volta e a Ordem apoia a implantação do processo eletrônico. Porém, ele precisa ser inclusivo e não excludente do acesso à justiça como tem sido hoje. Como disse Lamachia, a advocacia precisa fazer faculdade de informática para operar esses sistemas”, reforçou o presidente da OAB-MT, Leonardo Campos.
 
No requerimento, a Ordem deixou claro que reconhece os esforços do TJMT para a solução definitiva da situação, “porém, a advocacia e o jurisdicionado encontram-se – diante das regulares inconsistências do sistema – com extrema dificuldade de acesso à justiça”, finalizou.
 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • joaoderondonopolis
    25 Jun 2018 às 18:32

    Quando implantaram o PJE, o CNJ não pensou nos velhos advogados da terceira idade. Isto foi uma injustiça com estes profissionais, que estão sendo excluídos e obrigados a abandonarem a profissão lícita da advocacia.

  • Um advogado qualquer
    23 Jun 2018 às 17:13

    Realmente, é muito mais fácil ter que sair do escritório e ir até ao fórum! Parabéns pela burrice, OAB. Trabalhando em prol de dificultar o trabalho do advogado.

  • Hilton Nunes
    22 Jun 2018 às 21:36

    Na verdade esse PJe é um lixo enfiado goela abaixo pelo CNJ, isso é uma porcaria, cheio de inconsistência, lerdo, dinheiro jogado fora e nos bolsos de alguns. Não tem outra explicação para imposição disso.

  • Eilma
    22 Jun 2018 às 20:04

    Hahahahahahaha hahahahaha hahahahahahaha hahahahahahaha hahahahahahaha

  • Zefa
    22 Jun 2018 às 19:26

    Aos papiros .. reclamam até da quantidade de petições das procuradorias (vide matéria anterior)

  • Imposto pago retorno zero
    22 Jun 2018 às 18:53

    o judiciário nos custa uma fortuna mas Falta sistema, celeridade, transparência, acesso fácil, e quando o advogado perde os prazos a quem pedir socorro ??? a quem ?? o cidadão precisa ser ouvido pela justiça .

Sitevip Internet