Olhar Jurídico

Sábado, 20 de julho de 2019

Notícias / Geral

Antônio Joaquim nega extorsão do TCE e compra de fazenda com propina: 'canalhice de Silval'

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

26 Jun 2018 - 14:05

Foto: Olhar Direto

Antônio Joaquim nega extorsão do TCE e compra de fazenda com propina: 'canalhice de Silval'
O conselheiro afastado do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) Antônio Joaquim, apresentou suas armas na manhã desta terça-feira (26) contra o que chama de “canalhice” promovida pelo ex-governador Silval da Cunha Barbosa, em sua delação premiada já homologada no Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais:
Defesa pede novas diligências em julgamento de caso de PM assassinado no CPA III


A delação do ex-chefe do Executivo subsidiou, entre outras coisas, a decisão do então procurador-geral da República Rodrigo Janot de pedir o afastamento de Joaquim do TCE-MT. O que foi feito. “Fui condenado sem processo”, lamenta o procurador, que desistiu de se aposentar e viu-se impossibilitado de disputar as eleições deste ano.

Segundo o conselheiro afastado, as duas fundamentações da PGR para seu afastamento do TCE-MT são equivocadas e se baseiam tão somente nas palavras de Silval Barbosa, são elas: compra de fazenda pela Trimec com dinheiro de propina e apresentação de estudos técnicos que seriam usados para extorsão.

Questão 1: 

Conforme a delação, Joaquim sabia que Silval Barbosa era o principal comprador de sua fazenda, apesar de todo negócio ter sido feito com Wanderlei Faccheti Torres, proprietário da empresa Trimec, e que, portanto sabia que o dinheiro usado para a compra era de propina.

A propina teria sido retirada de um contrato entre a Trimec e o Governo do Estado em 2011. O retorno era de R$ 300 mil a R$ 400 mil mensais. A Trimec prestava serviços de contratação de mão de obra para as patrulhas de recuperação de rodovias não pavimentadas.

“Grande parte desse valor foi utilizado para pagar a fazenda que o colaborador, juntamente com Wanderlei Faccehti Torres adquiriu de Antonio Joaquim Moraes Rodrigues Neto, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso. 70% do imóvel era de propriedade do colaborador e 30% de Wanderlei Faccheti Torres, comprada pelo valor de R$ 10 milhões”, diz a transcrição da delação.

Segundo Joaquim, Wanderlei Faccehti é o único e verdadeiro comprador, prova disso seria o depoimento prestado pelo empresário, que diz: “Eu comprei a fazenda de Antônio Joaquim, paguei a fazenda e ele nunca soube que eu tenho uma sociedade com Silval”, narra o conselheiro afastado.

Adiante, afirma: “Eu não sabia da origem do pagamento, porque eu não tinha que saber. Como assim ‘ah, vamos verificar esse dinheiro’, ora, veio da Trimec. Eu não sou Polícia Federal nem da Receita. Não tenho autoridade para fiscalizar origem de dinheiro. O que era necessário e imprescindível é que o dinheiro viesse da Trimec, que era com quem eu fiz o contrato de compra e venda. Não seria prudente Rodrigo Janot ouvir Wanderlei antes de tomar sua decisão [de pedir afastamento do TCE]”.  

Ainda conforme Joaquim, Wanderlei Faccehti admite em seu depoimento que pagou a fazenda com dinheiro de propina (10%), propina esta que ele devia a Silval Barbosa por conta de um contrato para o ‘Patrulhas Rodoviárias’ (programa de pavimentação de rodovias do Estado, na gestão Silval).

O inquérito sobre tal compra já foi encerrado. O conselheiro afastado não foi convocado a prestar depoimento.

Questão 2: 

A segunda fundamentação contestada por Antônio Joaquim refere-se às supostas extorsões que seriam feitas pelos conselheiros do TCE-MT para que Silval Barbosa garantisse o andamento das obras da Copa do Mundo 2014.

Em depoimento à Justiça Federal, disse que grande parte dos relatórios das obras da Copa buscava chantageá-lo. "Só eu sei o que passei de chantagem, de extorsão, pra realizar essas obras da Copa aqui e todas. Esses cinco conselheiros me extorquiram enquanto eu não fiz um acordo pra eles me deixaremeu tocar todos os programas”, afirmou o delator.

Em seu relato, Silval acrescenta. "Quando eu atrasei, chegaram a suspender obras do ‘MT Integrado’. Está em minha colaboração. Então era uma coisa horrível, podre. Por isso hoje eu me sinto confortável em estar colaborando com a Justiça para ver se isso acaba".

Para Antônio Joaquim, a acusação é mentirosa e prova disso seria o fato de que todos os relatórios por ele assinados eram elaborados por quatro técnicos e que não contaram com nenhuma modificação de sua parte. “Podem procurar os sete relatórios e não verão uma vírgula sequer que eu tenha rabiscado e dito: ‘apague isso aqui’. Nada. Os relatórios são 100% técnicos. Ele cinicamente diz que confia muito nos técnicos do TCE-MT e está aí pondo em dúvida sete relatórios que foram produzidos na minha relatoria. Espero que esses auditores e seu sindicato tomem providências contra esse ladrão. Esses relatórios sequer eram produto de contraditório, não eram julgados, eu só recepcionava eles e fazia o encaminhamento para a mídia, de forma transparente. Não botei uma vírgula, é 100% técnico e Silval está atacando 100% estes técnicos”.

Adiante, conclui. “Nunca extorqui, nem vou extorquir ninguém, não é da minha natureza” e lamenta ter sido “julgado sem processo”. “Fui afastado do TCE e, portanto, fui punido, pois para mim isso é punição. Perdi o direito constitucional de me aposentar e cassaram meus direitos políticos, pois não pude me candidatar”.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Elisete
    27 Jun 2018 às 15:00

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Advinho
    27 Jun 2018 às 08:24

    Anjo nu: de pouco em pouco a Justica avancando sobre os vendilhões. Dia destes visitei o presídio e num papo com os detidos TODOS juram ser inocentes. Pior cego é aquele que nao quer ver. A casa caiu. A maior perda do homem é quando perde a honra. Anjo nu.

  • castro Indignado
    27 Jun 2018 às 08:07

    esse ex-conselheiro merece ostracismo mesmo, nunca fez nada digno pelo estado. Se um dia for candidato, farei ampla campanha contra.

  • Marcos Bastos
    27 Jun 2018 às 07:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Manoel Ribeiro
    26 Jun 2018 às 19:31

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Vige Edeviges
    26 Jun 2018 às 16:16

    Está tudo errado, esse afastamento tem outro sentido e todos sabem.. a q ponto chegamos!! O senhor Ministro até a presente data não se manifestou, vencendo todos os prazos e agindo de forma errada.. OK, é o nosso país, onde tudo se compra, até BSB.. O senhor Conselheiro AJ tem o meu voto! A verdade irá aparecer

  • Ana Maria
    26 Jun 2018 às 16:14

    Todos sabem q esse afastamento é de cunho politico... pq o Ministro não manifestou-se até hoje sobre uma medida cautelar imposta, não precisa ser expert em direito p saber que o processo não está no tramite correto... Mas nas eleições de 2022, o meu voto é seu conselheiro....

  • Luciana
    26 Jun 2018 às 15:06

    Olha só, não vai ser mais candidato tirou até o caju do cabelo!

Sitevip Internet