Olhar Jurídico

Terça-feira, 25 de junho de 2019

Notícias / Política de Classe

Após denúncia de advogada, três são detidos por extorsão e captação ilícita de clientes

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

27 Jun 2018 - 10:00

Foto: Rogério Florentino/OlharDireto

OAB-MT

OAB-MT

Três pessoas foram detidas na última segunda-feira (25), em Cuiabá, suspeitas de participarem de um esquema de captação ilícita de clientes, supostamente a mando de advogados. O esquema vem sendo denunciado pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), que acompanhou toda a ação.

Foram detidos: Sandro Brides da Silva, Natanael Manoel de Oliveira e Rafael Xavier de Moraes. Eles responderão por tentativa de extorsão, corrupção ativa e formação de quadrilha.

Leia mais:
Antônio Joaquim nega extorsão do TCE e compra de fazenda com propina: 'canalhice de Silval'

 
A denuncia foi formulada pela advogada Suzinete Almeida depois que um cliente seu começou a ser procurado pelos acusados, que usaram de intimidação e ameaças. Conforme ela, os suspeitos alegaram ao seu cliente que facilitariam o recebimento de um valor depositado judicialmente, desde que recebessem a metade em troca. Para isso, entraram em contato com seu escritório se fazendo passar pelo cliente.
 
Para obter as informações a respeito do alvará para pagamento do valor em juízo, os acusados teriam tido acesso ao sistema processual da Justiça de Mato Grosso, o Projud, mediante senha disponibilizada por um profissional da advocacia. Além disso, para forçar a pessoa a receber o valor e fazer a divisão com eles, teriam ainda apreendido e levado sua moto para outro local, como forma de intimidação, de acordo com relato da advogada.
 
Para o advogado Diego da Cruz, que deu apoio à Suzinete Almeida na ação, é necessário deixar o acesso ao Projud mais transparente, ou seja, com a realização do registro de pessoas que entrarem no sistema para ver os processos. “Como acontece no PJe, em que fica registrado quem foi que teve acesso. Isso é uma forma de controle que dá mais transparência”, comentou. 

Suspeitos detidos:
 
“Essa foi uma ação conjunta. A advocacia, a OAB-MT não aceitará a captação ilícita de clientes e nós combateremos isso veementemente. Isso é uma afronta à advocacia, afronta à dignidade da nossa profissão, um aviltamento de honorários e, onde estivermos, combateremos com todas as nossas forças”, declarou o presidente da OAB-MT, Leonardo Campos.

Caso anterior:
 
Na semana passada, após denúncia da subseção de Peixoto de Azevedo da OAB-MT, dois homens que estavam praticando captação ilícita de clientes também foram presos em flagrante pela Polícia Militar no município.

Utilizando uma credencial identificada como “Defesa do Consumidor – Consultor Autorizado Serasa e SPC”, os homens estavam abordando os moradores de Peixoto de Azevedo em postos de combustíveis, solicitando o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) para consultar possíveis irregularidades. Na ocasião, também eram distribuídos panfletos oferecendo a “limpar o nome” junto aos serviços de proteção de crédito e consultas gratuitas aos cadastros.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Advogado licenciado
    28 Jun 2018 às 08:27

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Advogado
    27 Jun 2018 às 10:57

    Concordo com o Dr. Leonardo Campos. Só não podemos esquecer que há uns anos havia captação na porta da CDL e da SERASA, onde pessoas ficavam distribuindo aqueles famigerados panfletos ofertando serviços advocatícios a quem estava como o nome negativado e outras coisas mais. À época foi formalizada denúncia na OAB e a prática continuou livremente. É bom que fiscalize isso mais uma vez senhor presidente!

Sitevip Internet