Olhar Jurídico

Segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Notícias / Trabalhista

​MPT obtém liminar contra hospital e pede meio milhão de indenização por danos morais coletivos

Da Redação - Vinicius Mendes

31 Ago 2018 - 08:41

Foto: Google

​MPT obtém liminar contra hospital e pede meio milhão de indenização por danos morais coletivos
O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) obteve liminar contra o Estado de Mato Grosso e o Fundo Estadual de Saúde para obrigá-los a corrigir 66 irregularidades relacionadas à saúde, segurança e higiene no ambiente de trabalho do Hospital Regional de Colíder, sob pena de multa de R$ 30 mil por item violado.

A decisão deverá ser cumprida no prazo de 120 dias. O MPT ainda pediu indenização de R$ 500 mil por danos morais coletivos.
 
Leia mais:
TRT determina que hospital corrija 66 irregularidades sob multa de R$ 30 mil por cada obrigação descumprida
 
Na liminar, o juiz Mauro Vaz Curvo, da Vara do Trabalho da cidade, distante 633 km de Cuiabá, pontuou que, como a gestão do Hospital é incumbência do Estado do Mato Grosso, diretamente, desde de 05 de maio de 2014, e do Fundo Estadual de Saúde, desde 2017, “resta clara a responsabilidade solidária de ambos na presente ação civil pública”.
 
Na hipótese de aplicação da multa, o magistrado determinou que o valor seja totalmente revertido à destinação social, a projetos sociais apresentados pelas entidades filantrópicas da região, definidos pelo Comitê Multi-Institucional de Colíder. O MPT ainda aguarda a análise do pedido de condenação dos réus ao pagamento de indenização de R$ 500 mil por danos morais coletivos.
 
A ação foi ajuizada após denúncia da Procuradoria de Justiça de Colíder. Por meio de inspeções realizadas por peritos do órgão e da análise documental, o MPT comprovou a gravidade da situação, apontando o descumprimento de pelo menos 16 Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho (MTb).
 
Além do sucateamento de equipamentos, da carência de exames laboratoriais e de medicamentos, da falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), da inadequação dos refeitórios e lavatórios, e da não implementação de programas de saúde e segurança no trabalho, o Hospital não gerenciava as imunizações dos seus profissionais de saúde.
 
Segundo o MPT, o programa de imunização dos profissionais de saúde é uma medida de proteção básica em qualquer serviço de saúde, para que os trabalhadores sejam imunizados contra tétano, difteria, hepatite B e outras doenças previstas no PCMSO, além das recomendadas pelo Ministério da Saúde.
 
A medida visa minimizar os riscos biológicos aos quais estão submetidos os trabalhadores de forma habitual e permanente. Muitos dos empregados sequer utilizavam sapatos fechados ou roupas apropriadas, como determinam as normas de segurança.
 
As inspeções feitas pelo MPT no local comprovaram, ainda, que a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e o Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes não existiam.
 
Em relação aos profissionais do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT), o perito foi informado que, em razão da alteração da forma de contratação dos trabalhadores do Hospital, que assumiu o caráter de contrato temporário a partir de novembro de 2017, o técnico de segurança do trabalho que laborava na unidade anteriormente havia sido demitido.
 
Diante disso, após a saída do técnico de segurança do trabalho, todas as atividades relacionadas à segurança e saúde do trabalho deixaram de ser executadas, com o completo abandono da área prevencionista.
 
Dessa forma, através de relatos dos trabalhadores e verificação in loco, o perito do MPT concluiu “que houve uma precarização da gestão de segurança do trabalho na unidade hospitalar, sendo uma das causas desta situação a inexistência de profissionais do SESMT”.
 
No momento da perícia, o Hospital possuía 239 contratados e 124 concursados, totalizando 363 trabalhadores. Assim, seriam necessários, pelo menos, dois técnicos de segurança do trabalho registrados na empresa.
 
“O Ministério Público do Trabalho pretende impedir a repetição no futuro da violação à ordem jurídica, à valorização social do trabalho, ao respeito à dignidade humana e à melhoria da condição social dos trabalhadores. Trata-se, em verdade, da aplicação do princípio da prevenção, haja vista que os danos, quando efetivamente causados, são irreversíveis, mormente em se tratando de uma unidade hospitalar, como ocorre no caso em tela”, disse o MPT na ação.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet