Olhar Jurídico

Quinta-feira, 20 de junho de 2019

Notícias / Criminal

Monitorado,cabo Gerson é suspeito de ir para balada e poderá retornar à prisão

Da Redação - Vinicius Mendes

17 Set 2018 - 12:12

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Monitorado,cabo Gerson é suspeito de ir para balada e poderá retornar à prisão
O juiz Murilo Moura Mesquita, da Décima Primeira Vara Criminal Especializada Justiça Militar, intimou a defesa do cabo Gerson Correa a dar explicações sobre duas violações das medidas cautelares impostas a Gerson, praticadas nos dias 29 e 31 de agosto. O Ministério Público recebeu uma denúncia de que o cabo esteve em um bar na noite do dia 30 para 31, o que descumpriria as condições impostas em sede de Habeas Corpus.
 
Leia mais:
Cabo acusa Gaeco de vazar áudios de Silval e diz que ex-secretário ofertou dinheiro para blindar Taques
 
O Ministério Público recebeu uma denúncia de que o cabo Gerson estaria descumprindo a medida cautelar que determina que ele se recolha em sua residência no período noturno, já que teria sido visto na noite do dia 30 para o 31 no Malcom Pub.

O MP então requereu que fosse iniciada averiguação sobre o fato, determinando a requisição de relatório à central de monitoramento para verificação dos últimos 30 dias. Pediu ainda que seja expedido mandado judicial de constatação, para que seja feita a verificação do sistema de entrada de clientes do Malcom Pub no período de 29 a 31 de agosto.

O juiz Murilo Moura Mesquita, com acesso ao sistema de monitoramento, verificou que “dentre inúmeras outras faltas consta, entre os dias 29 e 31 de agosto, violação com duração expressiva (mais de 1 dia sem sinal de GPRS), justamente o período narrado pelo Ministério Público em que o acusado teria sido visto em uma casa noturna, descumprindo, portanto, em princípio, medida cautelar de recolhimento noturno, fixada em sede de Habeas Corpus”.

O magistrado deferiu o pedido do MP, para que seja feita a verificação do sistema de entrada de clientes do Malcom Pub e, no último dia 13, intimou a defesa do cabo Gerson para que no prazo de dois dias se manifeste sobre as violações indicadas nos relatórios.

O Olhar Jurídico entrou em contato com a defesa de Gerson, que se manifestou apenas dizendo que “repudia totalmente as acusações de violações e serão os fatos provados contrariamente”.

O caso

A operação responsável por revelar o esquema de interceptações ilegais na PM chama-se "Esdras" e foi desencadeada em 27 de setembro de 2017, com base no depoimento prestado pelo tenente coronel da Policia Militar José Henrique Costa Soares, revelou um verdadeiro esquema criminoso para frear as investigações sobre interceptações ilegais e afastar o desembargador.
 
Conforme os autos, em depoimentos prestados por Soares, “descortinou-se um sórdido e inescrupuloso plano” no intuito de interferir nas investigações policiais e macular a reputação do desembargador Orlando Perri em todos os inquéritos instaurados.
 
Segundo o processo, Costa Soares foi convocado para atuar como escrivão no inquérito do caso grampos. Logo da convocação, a suposta organização criminosa teria buscado sua cooptação.
 
Seria tarefa do tenente coronel a juntada de informações sobre Perri para provocar a suspeição do magistrado.
 
Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
Segundo a denúncia do MPE, foi Gerson quem fez à Justiça os pedidos de autorização para interceptação de números de telefones de políticos, advogados e jornalistas, grampeados no esquema.  A prática de gravação telefônica clandestina, de pessoas que não são acusadas de crime, é conhecida como “barriga de aluguel”. Acusado de ser o operador do esquema, o cabo Gerson, também ficou encarcerado por nove meses.

Em fevereiro deste ano a defesa de Gerson entrou com pedido liminar de habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). No requerimento foi pedida a revogação da prisão preventiva em desfavor do paciente "ou, assim não entendendo, assinalar as medidas cautelares que entender pertinentes, com recolhimento noturno e aos finais de semana (afastada a prisão domiciliar)".

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Fabrício
    18 Set 2018 às 07:30

    Eliane, explica pra gente o que seria uma "assunto sem embalsamento", fiquei curioso...

  • Eliane
    17 Set 2018 às 15:30

    Acho que tem que mover processo contra vcs ! Publicar assunto sem embalsamento e provas ......

  • Eliane
    17 Set 2018 às 15:28

    Tudo isso é falta de assunto ??????? Não tem notícia nova de nada ? Pena de vcs mídia. ....Só notícias batida !!!!!!

  • Eliane
    17 Set 2018 às 15:26

    Eitaaaaaaa inveja do cabo ! Kkkkkkkk só rindo da panelinha opressora ! Vamos dizer que ele não precisa de segurança! Tem monte de olhando cuidando da vida dele .! Cambada de invejosos de plantão kkkkkk

Sitevip Internet