Olhar Jurídico

Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Notícias / Eleitoral

Já com três votos a favor de candidatura, julgamento de registro de Gilmar Fabris é adiado

Da Redação - Vinicius Mendes

28 Set 2018 - 09:12

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Já com três votos a favor de candidatura, julgamento de registro de Gilmar Fabris é adiado
Um pedido de vistas do presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Márcio Vidal adiou o julgamento a respeito do registro de candidatura do vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Gilmar Fabris (PSD).  A expectativa é que o julgamento seja retomado na terça-feira (2) após ser interrompido com três votos favoráveis e dois contrários ao registro de candidatura.
 
Leia mais:
Prefeito e vereador declaram apoio a reeleição de Gilmar Fabris
 
Durante sessão plenária desta quinta-feira (27), o relator do pedido do registro de candidatura, juiz Ricardo Almeida, rejeitou a tese da Procuradoria Eleitoral de que o parlamentar estaria impedido de ser candidato com base na lei da ficha limpa, em razão de uma condenação imposta pelo Tribunal de Justiça a 6 anos e 8 meses de reclusão pela suspeita do crime de peculato.
 
O magistrado levou em consideração decisão monocrática do dia 17 deste mês, pelo desembargador do Tribunal de Justiça José Zuquim, que acolheu embargos de declaração e acolheu efeito suspensivo por entender o perigo de dano irreparável ao deputado Gilmar Fabris pelos fortes indícios de prescrição da condenação dada nos autos da ação penal originária datada de 1996.
 
A juíza Vanessa Perenha Gasquez seguiu entendimento da Procuradoria Eleitoral de que a decisão que suspendeu a condenação só teria efeito se fosse concedida pelo pleno do Tribunal de Justiça composto por 30 desembargadores.
 
O mesmo entendimento foi adotado pelo juiz Luiz Aparecido Bortolussi Júnior e pelo juiz Antônio Veloso Peleja Júnior.
 
No entanto, o desembargador Pedro Sakamoto votou a favor do registro de candidatura seguindo o argumento do advogado Rodrigo Cyrineu, responsável pela sustentação oral enquanto representante da coligação  “Pra Mudar Mato Grosso IV” de que a decisão do desembargador José Zuquim foi dada devido ao poder de cautela concedido aos magistrados e assegurado pela legislação, o que não está afastado pelo artigo 26 da lei da ficha limpa.
 
“Não há como ignorar uma decisão do Tribunal de Justiça. Por isso, julgo improcedente o pedido de impugnação”, disse.
 
O juiz Ulisses Rabaneda também se manifestou favorável à concessão do registro de candidatura por considerar a decisão do desembargador José Zuquim válida em todos os termos.
 
“Não se pode considerar uma inelegibilidade com base numa condenação suspensa e que pode vir a ser reformada pelo Tribunal de Justiça. Não cabe a nós avaliar o erro ou acerto da decisão do desembargador José Zuquim”.
 
Rabaneda ainda citou a súmula 44 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para defender a validade da decisão monocrática do desembargador José Zuquim, sustentando assim que não havia necessidade de decisão dada pelo órgão colegiado para suspender  o efeito de uma sentença condenatória.
 
“O disposto no art. 26-C da LC nº 64/1990 não afasta o poder geral de cautela conferido ao magistrado pelo Código de Processo Civil”, diz a súmula 44.
 
Diante do empate de 3 a 3, caberia o voto de minerva ao presidente da Corte Eleitoral, desembargador Márcio Vidal. Porém, o magistrado pediu vistas, o que gerou mais uma reviravolta.

O juiz Antônio Veloso Peleja Júnior que inicialmente havia se manifestado contrário também pediu vistas compartilhada alegando complexidade do tema. Assim, a votação terminou em 3 a 2 a favor do registro de candidatura.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Chacal
    28 Set 2018 às 14:42

    Que vergonha, de quem já perdeu a vergonha.

  • joaquim
    28 Set 2018 às 13:20

    É sempre a velha ladainha, enquanto pode recorrer a STF ou coisa parecida, pode tudo. Agora colocaram até a ONU como última instância para proteger bandidos por aqui. Estou tomando nojo dessa justiça brasileira também!

  • Zeca
    28 Set 2018 às 12:57

    Misericórdia esse não, chega de eleger maus políticos,.

  • Ze vg
    28 Set 2018 às 10:59

    Depois querem reclamar do lula.

Sitevip Internet