Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Notícias / Eleitoral

​Juiz proíbe Taques de falar que Mauro Mendes é sócio de Silval e teria loteado secretarias

Da Redação - Vinicius Mendes

28 Set 2018 - 10:21

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

​Juiz proíbe Taques de falar que Mauro Mendes é sócio de Silval e teria loteado secretarias
O juiz Wladymir Perri, do Segundo Juizado Especial de Cuiabá, determinou que o governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB) está impedido, de mencionar, divulgar ou comentar que o candidato Mauro Mendes (DEM) seria sócio do ex-governador Silval Barbosa.

De acordo com a decisão judicial, em sede de liminar, ele também não pode continuar a disseminar informação sobre o loteamento de secretarias e acordos para a indicação de conselheiros para o Tribunal de Contas do Estado.
 
Leia mais:
Juiz nega pedido de Mauro para que Taques pare de associá-lo a Silval Barbosa
 

“Não há de confundir a presente decisão como censura, vedada no art. 5º, inc. IX, e art. 220, § 2º da CF/88, pois o que se veda é o excesso de informação nos conteúdos divulgados pelo requerido, o que demonstra nesta fase de cognição sumária, excesso de informações de cunho irreal”, destacou o juiz na decisão.
 
De acordo com o advogado Rodrigo Cyrineu, Pedro Taques já foi proibido, na Justiça Eleitoral, de mencionar o suposto acordo e loteamento de cargos durante o horário eleitoral.
 
Agora, com a decisão judicial na esfera cível, Taques não pode, em nenhum lugar, seja no horário eleitoral, entrevistas ou em rodas de amigos, continuar a propagar estas informações sobre o candidato Mauro Mendes.
 
“De fato tem como presente também por esse requisito para a concessão da tutela inibitória, pois inegável a imagem do requerente querer ter o ex-governador Silval Barbosa, rotulado como criminoso, já que foi condenado, inclusive, como é fato público e notório, associado a imagem do demandante, mormente como sócios, assim como, no que diz respeito a questão de rateios de secretarias, TCE e TJ, pois essas questões insinuam infrações a moralidade do demandante, circunstâncias essas por si só já demonstram, principalmente, ao pleito eleitoral que se avizinha, que caso não seja deferida a tutela inibitória, com certeza a divulgação dessas informações causará à sociedade uma opinião negativa a imagem do demandante”, destacou o magistrado.
 
“Por tais considerações, defiro parcialmente, a antecipação da tutela inibitória, a fim de que o reclamado deixe de divulgar, comentar, mencionar que o ex- governador Silval Barbosa venha a ser sócio do promovente da demanda; além de deixar de veicular, propagar e noticiar que o requerente acordou rateio de secretarias, cargos no TCE e TJ”, decidiu.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Leilils
    28 Set 2018 às 18:53

    Já era seu tempo já estourou.agora e Mauro Mendes e 25.tmj

  • Agnes
    28 Set 2018 às 18:00

    Esse cara não para, né? precisou de intervenção da justiça para que esse cara parasse de mentira.

  • Afonso Jr
    28 Set 2018 às 16:40

    Até o Juiz teve que ordenar pra ele parar de mentir! Taques deve apresentar alguma coisa como seu projeto em vez de inventar fake news pra outros.

Sitevip Internet