Olhar Jurídico

Domingo, 15 de setembro de 2019

Notícias / Eleitoral

TRE vê mudança em envolvidos na compra de votos e já apreendeu carro de R$ 100 mil em crime eleitoral

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

02 Out 2018 - 11:30

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

TRE vê mudança em envolvidos na compra de votos e já apreendeu carro de R$ 100 mil em crime eleitoral
A corrupção eleitoral, também conhecida como a famosa compra de votos ainda é em 2018, uma das maiores preocupações do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), segundo o chefe da Seção de Orientação e Apoio da Corregedoria da Corte, Kelsen de França Magalhães, que apresentou nesta manhã ao lado do desembargador Márcio Vidal, presidente do Tribunal, o Sistema de Registro de ocorrências Penais e Inelegibilidade (SIROPI).

Leia também
Sebastião Carlos acionará Selma por chamá-lo de ‘laranja’ e diz que candidata atribui tudo a ‘fakenews’


De acordo com Magalhães, a compra de votos, ao lado de boca de urna (veiculação de propaganda política no dia da eleição) e transporte de eleitores são os crimes mais praticados no Estado e estão atingindo atualmente um público que não era visto anos atrás.

“Para eleição ser transparente nós precisamos combater os crimes eleitorais. Os três que acontecem mais são a corrupção eleitoral, boca de urna e transporte de eleitores. Já tivemos vários carros apreendidos em razão da distribuição de  combustível. Em uma única ação, apreendemos mil litros de combustível. O tipo da compra de voto mudou. É muito menos alimento, cesta básica ou botina e muito mais focado em um público que não é miserável. É um público que tem carro, tem moto. Apreendemos carros envolvidos que tem o valor de mais de R$ 100 mil”, disse o chefe da Seção de Orientação e Apoio da Corregedoria do TRE.

“A corrupção eleitoral não escolhe classe social. Tem pessoas que trocam voto por cargo, tem pessoas que votam por comida e tem pessoas que votam em troca de combustível. Então precisamos combater em todas as formas”, avaliou.

Um dos idealizadores do SIROPI, Magalhães garantiu que o sistema irá deixar estas eleições mais transparentes para o cidadão e irá evitar que processos sejam prescritos por ficarem por anos tramitando na justiça pela falta de informação.  

“Estas informações vão servir primeiro para que a gente assegure transparência para o cidadão e para também evitamos que estes processos tramitem em instâncias que não é competente e evitará que estes processos tramitem por muito tempo e prescrevam. Por que se a gente identificar um suposto crime, nós não permitiremos que este crime prescreva por falta de um registro e uma informação simples”, explicou.

Apesar do sistema já estar concluído e funcionando, o cidadão, por motivo de segurança só terá acesso à consultas depois do dia 7 de outubro. A imprensa, no entanto poderá estar indo até o TRE no dia da eleição e colhendo informações atualizadas para repassá-las a sociedade.

“Este sistema que está sendo lançado oficialmente à sociedade é mais um instrumento tecnológico que objetiva a transparecia para que se tenha um controle. Os dados são oficiais e eles serão convergidos para um único banco de dado, permitindo uma certa agilidade e uma visibilidade do quadro do processo eleitoral. O cidadão em breve terá estas informações, por questão de cautela, segurança da própria tecnologia, mas foi oferecido a imprensa estar se dirigindo até este tribunal, onde estarão disponível boletins e a oportunidade de fazer consultas”, afirmou o presidente do TRE Marcio Vidal.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet