Olhar Jurídico

Sexta-feira, 24 de maio de 2019

Notícias / Ambiental

MP ingressa com ação contra invasores de área de preservação e pede indenização de R$ 2 mi

Da Redação - Vinicius Mendes

21 Nov 2018 - 10:42

Foto: Fabiana Mendes/Olhar Direto

MP ingressa com ação contra invasores de área de preservação e pede indenização de R$ 2 mi
O promotor Gerson Barbosa, da 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá, do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, ingressou com ação civil pública contra oito pessoas que residem em uma Área de Preservação Permanente (APP) localizada ao lado do posto de saúde da família no residencial Sonho Meu, no bairro Pedra 90.

A permanência dos ocupantes tem causado danos ao meio ambiente, como a contaminação de lençol freático. O valor da causa é de R$ 2 milhões.
 
Leia mais:
Promotor diz que próximos desafios são as ocupações ilegais em áreas de preservação ambiental
 
Consta na ação do MPMT, que a invasão vem provocando sérias lesões ao meio ambiente urbanístico. Além da supressão da vegetação, foi constatada a construção de um aterro de aproximadamente 1,5 metro de altura em toda a extensão da ocupação.

O acúmulo de lixo em bolsões e a construção de fossas sem qualquer tratamento têm contribuído para a contaminação do solo e do lençol freático. Na região há um córrego afluente do Aricá.
 
“Também foi consignado que as residências construídas pela invasão da área de preservação permanente estão sendo exploradas comercialmente, tendo sido observado anúncio de aluguel em três residências”, destacou o Promotor de Justiça Gerson Barbosa, em um trecho da ação.
 
Conforme o promotor de Justiça, a permanência dos invasores na APP implicará em possível perda de outras nascentes existentes na região. Além de requerer a desocupação da área, o MPMT cobra a elaboração de Projeto de Recuperação de Área Degradada e indenização pelos danos ambientais causados.
 
A ação foi protocolada na quarta-feira (14) na Vara Especializada do Meio Ambiente de Cuiabá, tendo como valor da causa R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais), embora os bens em questão sejam economicamente inestimáveis.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet