Olhar Jurídico

Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Notícias / Geral

Advogados empatam em lista tríplice do TRE e Bolsonaro deve decidir quem será juiz titular

Da Redação - Vinicius Mendes

13 Dez 2018 - 10:32

Foto: Reprodução / Olhar Direto / Mayke Toscano/Hipernotícias

Advogados empatam em lista tríplice do TRE e Bolsonaro deve decidir quem será juiz titular
O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) votou na manhã desta quinta-feira (13), durante sessão administrativa do Pleno, a lista tríplice para a escolha do novo juiz membro titular do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT). Foram escolhidos os advogados Sebastião Monteiro da Costa Junior, Darlã Martins Vargas e Ulisses Rabaneda dos Santos, que já foi advogado de Silval Barbosa.

A lista será enviada à Brasília e com toda a tramitação a escolha deve ser feita apenas após a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro.
 
Leia mais:
Ex-advogados de Silval e Selma disputam vaga de juiz titular do TRE
 
Durante a sessão administrativa do Pleno do TJMT, desta quinta-feira (13), foram escolhidos para compor a lista tríplice os advogados Sebastião Monteiro, com 22 votos, Ulisses Rabaneda, também com 22 votos, e Darlã Martins, com 14 votos.
 
A lista será encaminhada à Brasília para que o presidente da República escolha o novo juiz membro titular do TRE-MT. Primeiramente ela será encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral, que deve referendar a lista, e de lá será encaminhada para o Ministério da Justiça e depois para a Casa Civil, antes de chegar ao presidente. Por causa da tramitação, a escolha só deve ser feita após a posse de Jair Bolsonaro (PSL).
 
Se candidataram à vaga alguns advogados conhecidos por patrocinarem a defesa de figuras ilustres da política mato-grossense. André Stumpf já foi advogado do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e Diogo Egídio Sachs faz a defesa da senadora eleita Selma Arruda (PSL). Dos escolhidos, Ulisses Rabaneda já foi advogado de Silval Barbosa e Sebastião Monteiro patrocinou a defesa do ministro da Agricultura Blairo Maggi.

O advogado Diogo Egídio Sachs, no entanto, já havia desistido de concorrer ao cargo. Ele afirmou que não conseguiu formalizar a desistência a tempo e por isso seu nome esteve em votação. Ele recebeu apenas um voto. De acordo com Sachs o motivo da desistência é para que possa se empenhar na defesa da senadora eleita Selma Arruda (PSL) perante o TRE.


Atualizada às 14h01.
 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Edmilson Rosa
    13 Dez 2018 às 18:21

    E uma sacanagen mesmo. Um dos 3 vai ter que julgar a Selma ou seja a selma e do bolsonaro. Ou seja um triangulo amoroso de sacansgem vai surgir.

  • Ariana
    13 Dez 2018 às 18:16

    Juiza Selma, escolha o mais capacitado. Chega de politicalha no TRE de MT.

  • Lorota
    13 Dez 2018 às 11:36

    Quem tiver mais amizade com a Selma Arruda cola nela pq o bolsonaro é truta né.

Sitevip Internet