Olhar Jurídico

Segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Notícias / Geral

Governador demite agentes penitenciários acusados de facilitar entrada de drogas e celulares em cadeia

Da Redação - Vinicius Mendes

31 Mar 2019 - 16:09

Foto: Reprodução

Governador demite agentes penitenciários acusados de facilitar entrada de drogas e celulares em cadeia
O governador Mauro Mendes (DEM) assinou no último dia 27 de março a demissão dos servidores da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) Aurimar Cardoso Marques e Rogério Paulo. Eles são acusados de exigir o pagamento de propina para facilitar a entrada de aparelhos celulares, bebidas e drogas ilícitas dentro da cadeia pública de Nova Mutum.
 
Os dois chegaram a ser afastados após a fuga de 27 presos pela porta da frente da cadeia, em fevereiro de 2015. Na ocasião, dois agentes e o diretor da cadeia, em serviço, foram seduzidos por parceiras dos presos e acabaram ingerindo substância química que resultou em sono profundo.
 
Leia mais:
Desembargador nega liminar a agentes penitenciários acusados de corrupção
 
Amparado em um parecer da Procuradoria-Geral do Estado o governador assinou a demissão de Aurimar, Rogério e também do servidor Bley Ewelson Costa. Aurimar e Rogério são dois dos sete agentes que foram afastados após a fuga de 27 presos pela porta da frente da cadeia de Nova Mutum.
 
Os dois, na verdade, são acusados de corrupção por exigir o pagamento de propina para facilitar a entrada de aparelhos celulares, bebidas e drogas ilícitas dentro da cadeia pública de Nova Mutum.

Até mesmo churrascos vinham sendo realizados no interior da unidade prisional. Depoimentos colhidos pelo MPE, no decorrer das investigações, demonstram que as práticas de corrupção ocorreram por diversas vezes.
 
Consta na ação cautelar proposta pelo Ministério Público, que as propinas exigidas pelos agentes carcerários para concessão de benefícios aos presos variavam de R$ 800,00 a R$ 1.500,00. A indisponibilidade de bens dos acusados atingiu o montante de R$ 20.000,00 a R$ 30.000,00.
 
Conforme a defesa de Aurimar Cardoso Marques, Rafael Barros Meira (outro acusado) e Rogério Paulo, não há prova de que tenham facilitado a entrada de drogas e aparelhos de telefonia móvel no presídio, bem como de que estariam realizando festinhas dentro da unidade e permitindo a entrada de prostitutas.
 
“Asseveram que a acusação de atos de improbidade baseia-se apenas nos depoimentos dados pelos detentos, pessoas que, notoriamente, e por razões óbvias, têm interesse em prejudicar os agentes penitenciários”, argumentou no recurso.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Kel
    01 Abr 2019 às 09:20

    Sem generalizar, mas o brasileiro reclama tanto da "Corrupção" e se corrompe por tao pouco !

  • Daniel
    31 Mar 2019 às 20:28

    E os ex-secretários da secopa e da fazenda continuam trabalhando. Não que esteja defendendo os agentes.

  • Ares
    31 Mar 2019 às 20:09

    O que será que passa na cabeça de uns caras desses? O país afundado numa crise demasiada instalada pelo famigerado pt milhões de desempregados e os camaradas joga tudo pro ar destrói suas vidas e de seus familiares

Sitevip Internet