Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Administrativo

MPC aponta superfaturamento e desvios na saúde em nove municípios de MT

Da Redação - Érika Oliveira

30 Abr 2019 - 18:18

Foto: Assessoria

O procurador-geral de Contas Alisson Alencar

O procurador-geral de Contas Alisson Alencar

O Ministério Público de Contas de Mato Grosso solicitou reforço na fiscalização dos contratos envolvendo prefeituras e a Agência de Desenvolvimento Econômico e Social do Centro-Oeste  (Adesco). As suspeitas, segundo o MPC, são de que a empresa tenha causado prejuízos superiores a R$ 11 milhões aos cofres públicos.

Leia mais:
Juiz veta punição contra dois envolvidos na Operação Ararath por esquema com o MDB

“Acreditamos que estamos diante de um grave problema de gestão na saúde pública em nosso estado. Se os desvios forem confirmados, serão milhões de reais de dinheiro público utilizados irregularmente, tirados do atendimento daqueles que mais precisam da saúde pública”, disse o procurador-geral de contas Alisson Alencar.

Conforme o procurador, para viabilizar uma análise mais apurada e evitar tumulto processual, o MP de Contas emitiu parecer pela inserção dos outros municípios em processos distintos e o reforço na fiscalização de todos os contratos entre a Adesco, empresas terceirizadas e os municípios do interior.

O julgamento do processo levou mais de uma hora e meia de debates e discussões. O pedido do MP de Contas, acolhido em parte pelo Pleno do Tribunal de Contas, previa além da determinação para que outras prefeituras suspendam o pagamento de taxa de administração para a citada Oscip, que outros contratos fossem analisados pelo TCE-MT.

A Adesco é uma organização social de interesse público que presta serviços em municípios do interior, como por exemplo, Sinop, Sorriso, Marcelândia e Nova Ubiratã, principalmente na área da saúde, na prestação de serviços em Unidades de Pronto Atendimento e Programa de Saúde da Família.

De 2010 a 2017, a Adesco movimentou mais de R$ 162 milhões em recursos públicos. Até agora, as suspeitas de irregularidades envolvem nove municípios de Mato Grosso, a Adesco e mais quinze empresas, algumas delas com pessoas ligadas aos diretores da Oscip.

De acordo com dados preliminares da auditoria do TCE, os prejuízos aos cofres públicos apurados, somente em Sinop chegam a R$ 11.130.480,77. Foram encontrados indícios de desvio de recursos públicos por meio de contratações de empresas de assessoria e consultoria com vínculos ilegais, ausência de prestação de contas dos custos operacionais, superfaturamento e terceirização ilícita. Por exemplo, um médico que recebe cerca de R$ 10 mil de salário pelo município, chegava a custar cerca de R$ 50 mil aos cofres públicos por meio da Oscip.

O vice-presidente do Tribunal de Contas, Conselheiro Interino Luiz Henrique Lima, ressaltou a importância de discutir com cautela o processo envolvendo a Adesco, pois o caso pode refletir em casos similares julgado pela Corte de Contas. 

O voto do relator conselheiro interino Isaias Lopes da Cunha foi aprovado por unanimidade. O próximo passo é o Tribunal de Contas analisar o mérito do processo, ou seja, analisar e confirmar as irregularidades apontadas, bem como os desvios de recursos públicos.

“O Ministério Público de Contas está acompanhando de perto este e outros casos. Temos o compromisso de esclarecer se a lei está sendo cumprida nesses contratos milionários, se o dinheiro público da saúde está sendo usado dentro da legalidade e com eficiência”, pontuou Alisson Alencar.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • 01 Mai 2019 às 09:30

    Isso é o novo DETRAN? Tá igual ao antigo.

Sitevip Internet