Olhar Jurídico

Terça-feira, 25 de junho de 2019

Notícias / Civil

Pedido de vista adia julgamento sobre rescisão do contrato para implantação do VLT

Da Redação - Arthur Santos da Silva

02 Mai 2019 - 16:53

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Pedido de vista adia julgamento sobre rescisão do contrato para implantação do VLT
O desembargador Márcio Vidal, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), pediu vista nesta quinta-feira (2) e adiou conclusão do julgamento que questiona o rompimento unilateral, por parte do governo estadual, do contrato com o consórcio VLT.

Leia também 
Juiz homologa proposta de perícia para saber se houve fraude em mineradora de Mendes

 
A rescisão foi comunicada em 2017 pelo então governador, Pedro Taques (PSDB), após a Operação Descarrilho, com base na delação premiada do também ex-governador, Silval Barbosa. Esquema de corrupção foi revelado.
 
O processo estava pautado nesta quinta na sessão das Câmaras Cíveis Reunidas do Direito Público e Coletivo. Em audiências anteriores, os desembargadores Maria Erotides, Márcio Vidal, Luiz Carlos da Costa e José Zuquim votaram por negar o pedido do grupo composto pelas empresas C R Almeida S/A - Engenharia de Obras, Santa Barbara Construções S/A, CAF Brasil Indústria e Comércio S, Astep Engenharia Ltda.
 
Em agosto de 2017 o então procurador-Geral do Estado, Rogério Gallo, afirmou que durante vários meses representantes do governo e do consórcio se reuniram para buscar um acordo que permitisse a retomada das obras, ajustando o contrato firmado em 2012, corrigindo eventuais vícios e ilegalidade, bem como revendo valores.
 
Porém, depois da Operação Descarrilho, deflagrada pela da Polícia Federal, apontando fraudes na licitação, associação criminosa, corrupção ativa e passiva, entre outros crimes que teriam ocorridos durante a escolha do modal VLT, o governador Pedro Taques determinou a suspensão do diálogo com o Consórcio VLT para a retomada das obras.

Não há data definida para retomada do julgamento.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Renato
    03 Mai 2019 às 07:44

    No lugar de colocar terra e arvores nos canteiros, porque a prefeitura não abre mais vias para carros e ônibus, sabendo que o transito de cuiaba aumenta a cada ano, ou quer gastar dinheiro publico com aterro e mudas de arvores para depois retirar e cortar essas arvores para fazer essas nossas vias.

  • Júnior
    03 Mai 2019 às 07:27

    Que enrolação, vamos destravar esse VLT. O Brasil é campeão em obras inacabadas.

  • Cezar
    03 Mai 2019 às 06:44

    E uma incompetência sem limites. Vão ficar esperando até quando? Será que quando morrer algum familiar desses juízes em decorrencia a essa obra inacabada na Av. Feb eses juízes vão julgar!

  • Raimundo
    02 Mai 2019 às 22:37

    Juiz não anda de ônibus, o povo que se exploda.

  • Roberto
    02 Mai 2019 às 19:01

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet