Olhar Jurídico

Quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Notícias / Trabalhista

Empresa de transporte é condenada a indenizar funcionária por discriminação sexual

Da Redação - Vinicius Mendes

09 Mai 2019 - 10:30

Foto: Ilustração / Reprodução

Empresa de transporte é condenada a indenizar funcionária por discriminação sexual
Uma empresa de transportes de Confresa (a 1.161 km de Cuiabá) foi condenada a indenizar uma funcionária, que atua como conferente de carga, por ter sido discriminada no trabalho devido a sua orientação sexual. A vítima receberá indenização de R$ 5 mil, após ter comprovado o tratamento agressivo de que era alvo e que lhe era exigido serviço similar ao dos trabalhadores do sexo masculino.
 
Leia mais:

Defensora diz acreditar que STF enquadrará homofobia como crime de racismo
 
"Se quer ser homem, tem que trabalhar igual homem" era uma das frases que a trabalhadora homossexual costumava ouvir na transportadora em que prestava serviço, tratamento bem diverso do que era dado às demais mulheres contratadas para a mesma função.
 
O caso foi julgado na Vara do Trabalho de Confresa, com o reconhecimento do assédio moral sofrido pela ex-empregada em razão do que foi denominado em sentença como "gestão por injúria".
 
Trata-se, conforme o magistrado, de "situação na qual a atividade empresarial é gerida de forma hostil em relação aos trabalhadores, com constantes humilhações, constrangimentos e falta de respeito para conseguir obediência dos subordinados". Como compensação pelo dano moral, fixou o pagamento de 5 mil reais à trabalhadora.
 
A transportadora recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT) argumentando que não houve prática de qualquer preconceito, não havendo tratamento diferenciado na empresa em razão da opção sexual dos empregados.
 
Segundo ela, cabia à trabalhadora, na sua função de conferente, checar os volumes, armazenar e fazer os lançamentos da movimentação de entrada e saída dos produtos, bem como também deveria manusear os pallets, mas jamais foi exigido força além das suas possibilidades físicas.
 
Afirmou ainda que "todos os conferentes, mulheres e homens, realizavam as mesmas tarefas, e quando uma mercadoria era muito pesada, era solicitado o auxílio dos colegas para manuseio" e que, na verdade, "era a autora quem possuía comportamento de insubordinação, chegava rotineiramente atrasada, o que fazia com que seu trabalho fosse assumido pelos colegas. Não aceitava as advertências verbais, e virava as costas ao seu supervisor”.
 
A trabalhadora também apresentou recurso, mas por discordar do valor da condenação, requerendo o aumento do montante a ser pago como compensação por dano moral. Tanto os pedidos da transportadora quanto da ex-conferente foram julgados pela 1ª Turma do TRT/MT.
 
Já de início, a relatora dos recursos, juíza convocada Eleonora Lacerda, lembrou que as normas jurídicas brasileiras repudiam qualquer ato discriminatório. “A Constituição Federal previu a igualdade de todos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, sendo, ainda, objetivo fundamental da República Federativa do Brasil a promoção do bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade, e quaisquer outras formas de discriminação”, enfatizou.
 
O assédio moral, explicou a magistrada, caracteriza-se pelo cerco à vítima, o que vai minando sua autoestima, seu poder de criação, sua capacidade de concentração, suas expectativas em melhorias profissionais. Prática que, ao contrário da alegação da empresa, ficou constatada no caso: pelo tratamento hostil e desrespeitoso, além da exigência de serviço similar ao do sexo masculino.
 
Tudo comprovado pelas testemunhas, inclusive a indicada pela empresa, que inicialmente disse que não havia diferenciação do serviço de homens e mulheres, mas em seguida apontou que, quanto ao peso, havia distinção.
 
Conforme a juíza-relatora, não há dúvida de que havia diferença entre o trabalho de homens e mulheres, sendo que dentre as seis conferentes contratadas, somente a trabalhadora homossexual trabalhava na equipe da “conferência de praça”, no interior da empresa. Todas as demais conferentes trabalhavam na função de “conferente de frente”, claro indício de discriminação, como destacou a magistrada.
 
Frases discriminatórias
 
Dentre as agressões verbais proferidas muitas vezes aos gritos e na presença de outros empregados destacam-se frases discriminatórias como "se você quer ser homem tem que dar conta do serviço" e que a trabalhadora “tinha que se virar”, resposta dada pelo encarregado quando ela pedia ajuda, por conta do tamanho ou peso de alguma mercadoria. 
 
Em seu depoimento, a trabalhadora relatou ter reclamado aos seus superiores pela forma como era tratada e das piadas, mas nenhuma providência foi tomada, limitando-se o representante da empresa a dizer que “quem mandava lá era ele”.
 
O tratamento diferenciado dado à trabalhadora foi confirmada por duas testemunhas, que ela era tratada com grosseria, sendo que com as outras conferentes não se percebia nenhuma animosidade por parte dos encarregados.
 
Que acontecia de a trabalhadora homossexual ser chamada "de canto" pelo gerente e que retornava chateada, circunstância também mencionada pela testemunha indicada empresa, que relatou ter presenciado discussão entre um dos encarregados e a trabalhadora, ocasião em que esta saiu chorando, dizendo ter sido ofendida.
 
 “Portanto, ficou demonstrada a atitude aniquiladora, decorrente de tratamento desrespeitoso dos superiores hierárquicos dirigidos à Autora, tratando-a de forma diferenciada, caracterizando nítido assédio moral que culminou na violação de sua honra e imagem. Presentes, portanto, os requisitos previstos nos artigos 186 e 927 do Código Civil”, concluiu a relatora.
 
Com relação ao valor fixado na condenação, a magistrada avaliou adequado o valor arbitrado na sentença a título de dano moral, levando-se em conta balizas como a punição da conduta ilícita e o caráter pedagógico de desestimular a sua reincidência, além de se limitar a compensar a ofensa, “pois o que passar disso caracterizar-se-á como fonte de enriquecimento sem causa.”
 
As conclusões da relatora foram acompanhadas de forma unânime pelos demais componentes da 1ª Turma do Tribunal.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • maria auxiliadora de lara
    10 Mai 2019 às 11:42

    Corretissimo, a empresa deve ser responsabilizada sim, a final de contas o empregado esta representando quem na hora? só achoooo.

  • Dandares Pedrosa
    09 Mai 2019 às 16:17

    Quer ser empoderada e não aguenta Depois vai fazer cara de coitadinha no judiciário Francamente, não me representa...

  • Fernanda Arruda
    09 Mai 2019 às 16:16

    Cabe recurso. Mero aborrecimento.

  • Paolo
    09 Mai 2019 às 12:08

    Certíssimo quer ser homem então será cobrada e fará os serviços de homem.

  • AVANÇA LOGO MT
    09 Mai 2019 às 11:54

    SE O GERENTE OFENDE O FUNCIONÁRIO EU ACHO QUE QUEM DEVERIA PAGAR DEVERIA SER O GERENTE E NÃO A EMPRESA A EMPRESA NÃO TEM COMO CONTROLAR E NEM ADIVINHAR O QUE AS PESSOAS FALARÃO, A EMPRESA JÁ TEM TANTOS PROBLEMAS PARA ADMINISTRAR ,E ACHO QUE TEM QUE TOMAR CUIDADO COM OS VALORES APLICADOS TAMBÉM !

Sitevip Internet