Olhar Jurídico

Quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Delações de Silval, Nadaf e mais cinco devem ficar no STF por envolvimento de Bezerra

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Mai 2019 - 16:24

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Delações de Silval, Nadaf e mais cinco devem ficar no STF por envolvimento de Bezerra
A procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, emitiu parecer para que as delações premiadas firmadas pelo ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa, pelo ex-secretário de Casa Civil Pedro Nadaf e mais cinco pessoas permaneçam no Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também 
Auditoria em delação mostra que Silval escapou de devolver R$ 1 bilhão

 
O posicionamento leva em conta que todas as colaborações embasam investigação contra o deputado federal Carlos Bezerra (MDB). Os fatos são objetos do inquérito número 4639.
 
As outras delações que devem seguir no STF, conforme posicionamento da PGR, são as firmadas por Roseli Barbosa, Rodrigo Barbosa, Antonio da Cunha Barbosa, pelo ex-chefe de gabinete Silvio Cezar Araújo e pela empresária Marilene Aparecida Ribeiro.
 
Dodge emitiu parecer em razão da decisão do ministro Luiz Fux, no dia 19 de dezembro de 2018, que promoveu a cisão de linhas investigativas provenientes da Operação Ararath que estavam no STF.

Na ocasião, o inquérito número 4639 foi examinado em conjunto com o inquérito número 4596. Sete casos no inquérito 4596 foram redistribuídos. Apenas o caso relacionado ao 4639, ou seja, ao deputado federal Carlos Bezerra, segue no STF.
 
O parecer, do dia 9 de maio, explica que as delações premiadas contribuíram para dar musculatura ao inquérito sobre supostos empréstimos irregulares obtidos por Carlos Bezerra. O caso segue no Supremo porque os supostos crimes foram cometidos durante e em função do cargo de deputado.
 
Devido ao conteúdo probatório seguir relacionado ao inquérito mantido sob a supervisão do Supremo Tribunal Federal, Raquel Dodge entendeu como pertinente a preservação dos acordos de colaboração premiada na Suprema Corte.
 
Colaboração na Justiça Federal
 
Apenas um caso deve ir para a Justiça Federal, segundo parecer de Raquel Dodge. A delação premiada do empresário Genir Martelli. Conforme a PGR, a colaboração de Martelli serviu para fortificar duas investigações contra o ex-governador e ex-ministro da agriculta, Blairo Maggi.
 
Ambos os casos, qua faziam parte do inquérito número 4596, foram enviados ao primeiro grau da Justiça Federal em Mato Grosso.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • CHIRRÃO
    14 Mai 2019 às 09:14

    PEGA LADRÃO!!!!!!!!!!!!!!!

  • José
    14 Mai 2019 às 07:50

    Bezerra e sua turma sempre engrandecendo o Mato Grosso.

  • Carlos
    14 Mai 2019 às 06:42

    Como ele está afastado deveria descer o processo dele pra Primeira Instância.

  • Henrique Dias
    14 Mai 2019 às 06:22

    Depois do Sarney, Bezerra vai ser o maiorvexemplo de impunidade no Brasil. Ambos vão morrer e não vão ficar um dia na cadeia. E por coincidência são do mesmo partido. Muda Brasil de verdade. Chega de proteger politico corrupto.

  • Raimundo
    13 Mai 2019 às 23:28

    Da nada não....

  • Chirrão
    13 Mai 2019 às 21:25

    Xiiiiiiiiii!!!!! e agora xô mano??

Sitevip Internet