Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de junho de 2019

Notícias / Criminal

Juíza nega recurso de Riva para suspender ação que o condenou a 17 anos de prisão

Da Redação - Arthur Santos da Silva

14 Mai 2019 - 09:54

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juíza nega recurso de Riva para suspender ação que o condenou a 17 anos de prisão
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, negou embargos de declaração propostos pelo ex-deputado estadual José Riva que buscava suspender ação que o condenou a 17 anos, nove meses e nove dias em processo proveniente da Operação Arca de Noé.

Leia também 
Responsabilidade de ressarcimento não cabe somente ao delator, aponta advogado 


Riva pretendia em sede preliminar a suspensão temporária da ação até o julgamento de mérito dos demais procedimentos criminais da operação Arca de Noé.

No mérito, requereu que fossem sanadas as omissões quanto à suposta incompetência absoluta do juízo, bem como o suposto cerceamento de defesa
 
Em sua decisão, Ana Cristina afirmou que as alegações defendidas nos embargos de declaração já foram devidamente analisadas pelo magistrado antecessor, Marcos Faleiros, durante a sentença. Segundo a juíza, a tese debatida “gira em torno de matéria já analisada”. O exame anterior causaria rejeição automática do recurso.
 
“Assim, sob esses fundamentos, conheço dos presentes embargos de declaração oposto pela defesa, todavia nego-lhes provimento”, afirma trecho da decisão.
 
Segundo o processo proveniente da Operação Arca de Noé, o ex-deputado estadual teria ilicitamente promovido a contratação de empréstimos bancários por meio de servidores “fantasmas” da Assembleia Legislativa (ALMT), junto à instituição bancária ABN – Amro Real S/A, causando um prejuízo de cerca de R$ 3,7 milhões.
 
As transações eram finalizadas em factorings do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet