Olhar Jurídico

Terça-feira, 19 de novembro de 2019

Notícias / Civil

STF marca julgamento de ação que pode suspender previdência de deputados em Mato Grosso

Da Redação - Arthur Santos da Silva

17 Jun 2019 - 10:17

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

STF marca julgamento de ação que pode suspender previdência de deputados em Mato Grosso
O Supremo Tribunal Federal (STF) incluiu em pauta de julgamento plenário do dia 2 de outubro uma ação para suspender a eficácia de seis leis de Mato Grosso e proibir a concessão ou majoração de benefícios previdenciários a deputados e ex-deputados da Assembleia Legislativa (ALMT).
 
Leia também 
Deputado entra na Justiça para anular projeto que retira do Indea fiscalização sobre recursos naturais


A matéria já foi examinada de forma liminar, sendo acatada em 2017, com feitos ex nunc (a partir de então) e será submetida a referendo do Plenário.
 
A ação foi ajuizada pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra as Leis 5.085/1986, 6.243/1993, 6.623/1995, 7.498/2001, 7.960/2003 e 9.041/2008, todas do estado de Mato Grosso, que tratam do sistema próprio de previdência parlamentar para deputados e ex-deputados estaduais.
 
Segundo os autos, o Fundo de Assistência Parlamentar (FAP), previsto na Lei 5.085/1986, concedia benefícios previdenciários e assistência médica a membros da Assembleia Legislativa, com benefícios proporcionais, após 8 anos de carência, e integrais, após 24 anos.
 
No entanto, a Lei 6.623/1995 extinguiu o fundo, com duas possibilidades aos beneficiários que, naquele momento, já haviam cumprindo a carência: a devolução das contribuições já recolhidas ou a continuidade do recolhimento mensal para efeito de integralização do benefício. Para os beneficiários que não haviam cumprido a carência, foi determinada a devolução das contribuições recolhidas, exceto para os deputados da 13ª legislatura, para os quais se permitiu, mesmo não cumprido o período, a possibilidade de continuidade dos recolhimentos.
 
Por sua vez, a Lei 7.498/2001 autorizou que os mesmos parlamentares da 13ª legislatura realizassem o recolhimento antecipado das contribuições referentes aos 24 anos de imediato, em uma única parcela, para percepção também imediata do benefício de pensão parlamentar em montante integral, sem observância de quaisquer outros requisitos de carência ou idade. Esse tratamento foi sucessivamente estendido aos parlamentares da 14ª e 15ª legislaturas pelas Leis 7.960/2003 e 9.041/2008, que determinaram a revalidação da Lei 4.675/1984 para revigorar o regramento do FAP em relação a esses novos beneficiários.
 
Entre os beneficiados em Mato Grosso pelo FAP estão  Emanuel Pinheiro (PMDB), prefeito de Cuiabá; o ex-secretário estadual de Saúde Luiz Soares, o ex-prefeito Roberto França Auad e o ex-presidente da Assembleia Legislativa José Geraldo Riva.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Josiane Malinowski
    17 Jun 2019 às 13:51

    Não vai dar em nada. Bolsonaro me decepcionou. Frouxo. A reforma da previdência não afetará militares, judiciário, nem políticos. Só os humildes que não foram à greve geral por estarem se borrando de medo de desemprego. Quem não luta pelos seus direitos não os merece.

  • Nilzete
    17 Jun 2019 às 12:14

    Passou da hora de extinguir os privilégios dessa classe de gente que vive IMERECIDAMENTE às custas do dinheiro público.

  • Valdiley
    17 Jun 2019 às 10:50

    Isso que é afronta ao trabalhador brasileiro, pagar antecipadamente a contribuição para obter o benefício sem levar em consideração outros requisitos, essa assembléia e um verdadeiro trem da alegria para os maus políticos.

Sitevip Internet