Olhar Jurídico

Sexta-feira, 19 de julho de 2019

Notícias / Criminal

Ministério Público requer leilão de bens e perda de valores milionários de João Arcanjo

Da Redação - Arthur Santos da Silva

17 Jun 2019 - 15:40

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministério Público requer leilão de bens e perda de valores milionários de João Arcanjo
A ação do Ministério Público de Mato Grosso (MPE) proposta contra o bicheiro João Arcanjo Ribeiro requer que imóveis bloqueados no dia 29 de maio, durante a Operação Mantus, contra o jogo do bicho, sejam leiloados para reparação dos danos causados pelos supostos crimes.
 
Leia também 
Polícia encontra R$ 200 mil em dinheiro na casa de João Arcanjo durante prisão


Valores bloqueados nas contas dos envolvidos e os mais de R$ 200 mil encontrados na casa do comendador, no bairro Boa Esperança, também devem ser revertidos aos cofres públicos. Segundo denúncia, somente nas contas de Giovanni Zem, genro de Arcanjo, foram movimentados cerca de R$ 3,5 milhões.
 
Os imóveis bloqueados em nome de Arcanjo são o Colibri Palace Hotel, em Tangará da Serra, o Estaciona Parking, na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, em Cuiabá, e a sede do Grupo FMF, no bairro Baú, também em Cuiabá.
 
“Requer seja decretada a perda em favor do Estado a perda de todos os bens móveis e imóveis objeto de sequestro neste feito, promovendo a respectiva venda e apuração do resultado em dinheiro”, afirma trecho do processo proposto pelo MPE.
 
João Arcanjo Ribeiro, Giovanni Zem Rodrigues e mais 12 pessoas vão responder pelos crimes de organização criminosa, contravenção penal do jogo do bicho, extorsão, extorsão mediante sequestro e lavagem de dinheiro.
 
Além dos dois, apontados como líderes da organização Colibri, também foram denunciados Noroel Braz da Costa Filho, Mariano Oliveira da Silva, Adelmar Ferreira Lopes, Sebastião Francisco da Silva, Marcelo Gomes Honorato, Agnaldo Gomes de Azevedo, Paulo César Martins, Breno César Martins, Bruno César Aristides Martins, Augusto Matias Cruz, José Carlos de Freitas, vulgo “Freitas”, e Valcenir Nunes Inerio, vulgo “Bateco”.

Arcanjo e Zem seguem em prisão preventiva.Os valores exatos dos imóveis e dos bloqueios bancários ainda serão calculados. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet