Olhar Jurídico

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Trabalhista

Desembargador tem aposentadoria aprovada pelo Tribunal Regional do Trabalho

Da Redação - Arthur Santos da Silva

25 Jun 2019 - 11:00

Foto: TRT-MT

Desembargador tem aposentadoria aprovada pelo Tribunal Regional do Trabalho
Depois de 26 anos de atuação na Justiça do Trabalho em Mato Grosso, o desembargador Edson Bueno teve seu pedido de aposentadoria deferido na segunda-feira (24) pelo Pleno do Tribunal Regional do Trabalho.

Leia também 
Juíza remarca audiência de quadrilha de agiotagem que recebeu R$ 1 milhão por dívida de R$ 170 mil


Goiano de Sanclerlândia, Edson Bueno foi aprovado no primeiro concurso público para juiz substituto do TRT/MT e tomou posse no dia 30 de setembro de 1993. A partir de então, assumiu o cargo de Juiz Presidente da Junta de Conciliação e Julgamento de Cáceres e, no ano seguinte, começou a exercer suas funções na 2ª Junta de Conciliação e Julgamento de Cuiabá.

Entre janeiro de 1996 e março de 2001, o magistrado atuou na Vara do Trabalho de Barra do Garças e, entre maio de 2005 e abril de 2008, esteve à frente da 9ª Vara do Trabalho de Cuiabá. Em abril de 2008 foi promovido a desembargador e, seis anos depois, foi eleito presidente do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso, cargo que exerceu até dezembro de 2015.

Durante sua passagem pela Justiça do Trabalho o magistrado também fez parte da luta pela erradicação do trabalho infantil, exercendo o cargo de coordenador da Comissão de Combate ao Trabalho Infantil.

Entre tantas outras conquistas, foram marcas de sua gestão no Tribunal o foco na capacitação e o desenvolvimento humano e integração entre os servidores e magistrados da Justiça do Trabalho de Mato Grosso, a exemplo dos encontros regionais realizados durante sua gestão em cidades-polo do estado.

Também foi na sua gestão que o Tribunal deu um passo à frente nas políticas de diversidade e inclusão com a criação de um comitê interno específico para trabalhar o tema.

Durante a sessão que apreciou o pedido de aposentadoria do desembargador, a presidente do Tribunal, desembargadora Eliney Veloso, destacou, emocionada, a trajetória de desembargador Edson Bueno como profissional brilhante e colega de trabalho. “O colega Edson é uma mente brilhante, um professor nato e me ensinou muito e continuará a me inspirar. Edson, saiba que tens muitos amigos e que aqui continuará sempre sua casa”, disse.

Responsável pela etapa oral da prova que o então candidato ao cargo de juiz do trabalho Edson Bueno disputava, o desembargador Roberto Benatar destacou o brilhantismo do colega em seus conhecimentos jurídicos, demostrados à época e ao longo de toda a sua carreira. “A fila vai andando deixando um rastro de tristeza para aqueles que ficam. Ele sai da magistratura hoje, mas continua em nossos corações”.

A desembargadora Beatriz Theodoro, que atuou como vice-presidente durante sua administração no Tribunal, falou da satisfação de trabalhar com o magistrado.  “Me estendeu a mão, sempre me capacitando para desempenhar o papel de administradora do Tribunal. Foi um ombro amigo todas as vezes que precisei”, afirmou.

Presente na sessão, a juíza Deizimar Mendonça destacou a conduta inspiradora e comprometida com o direito do desembargador. “Vejo em Vossa Excelência uma pessoa que busca o tempo todo melhorar. Busca a ciência para aplicação no direito e isso nos inspira a buscar ser melhores como pessoas e como magistrados. Umas das mentes mais brilhantes desse nosso Tribunal”, elogiou.

O desembargador Edson Bueno aproveitou a oportunidade para agradecer aos colegas de trabalho durante esses 26 anos que ele classificou como os melhores de sua vida. “Trago aqui o meu mais sincero agradecimento e dizer que foi um privilégio impar ter aqui participado e trabalhar com cada um”, concluiu.

A solenidade foi acompanhada por servidores que integram o gabinete do desembargador Edson Bueno.

(Com informações da assessoria)

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet