Olhar Jurídico

Terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Juiz intima militares e perito para depor em julgamento de tenente Ledur

Da Redação - Vinicius Mendes

11 Jul 2019 - 11:14

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juiz intima militares e perito para depor em julgamento de tenente Ledur
O juiz Marcos Faleiros da Silva, da 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar, intimou os bombeiros militares major Danilo Cavalcante Coelho e tenente Janisley Teodoro Silva, juntamente com o perito Dionisio José Bochese Andreoni, para serem ouvidos na sessão de instrução do julgamento da tenente Izadora Ledur, acusada de torturar e causar a morte de Rodrigo Claro em novembro de 2016. Também foram intimados os cinco juízes militares do caso, para comparecerem à audiência do próximo dia 5 de agosto.
 
Leia mais:
Interrogatório de tenente Ledur por morte de aluno ainda não tem prazo para ser realizado
 
Ledur deveria ter sido ouvida no último dia 30 de abril, mas a sessão foi cancelada. A nova data foi agendada para o dia 5 de agosto, às 14h, no Fórum de Cuiabá. Além da tenente, foram intimadas as testemunhas major Danilo Cavalcante Coelho e tenente Janisley Teodoro Silva, e o perito da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), Dionisio José Bochese Andreoni.
 
Faleiros também intimou os cinco juízes militares do caso: major PM Paulo César Vieira de Melo Junior, major PM Ludmila de Souza Eickhoff, tenente-coronel BM Neurivaldo Antonio de Souza, tenente-coronel BM Abel Rocha da Silva (suplente) e major PM Fabiano Pessoa (suplente). O caso já se arrasta há mais de dois anos.
 
O caso
 
Rodrigo Patrício Lima Claro, de 21 anos, ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e faleceu por volta de 1h40 do dia 16 de novembro de 2016. Ele teria sido dispensado no final do treinamento do curso dos bombeiros, após reclamar de dores na cabeça e exaustão. O jovem teria passado por sessões de afogamento e agressões por parte da tenente Izadora ledur.
 
O Corpo de Bombeiros informou que já no Batalhão ele teria se queixado das dores e foi levado para a policlínica em frente à instituição. Ali, sofreu duas convulsões e foi encaminhado em estado crítico ao Jardim Cuiabá, onde permaneceu internado em coma, mas acabou falecendo.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • cuiabano
    12 Jul 2019 às 10:49

    Inacreditavel, se estivessemos em um pais serio e com leis para todos, essa mulher que tanto envergonhou os gloriosos soldados dos bombeiros militar, pois nem todos os militares sao desse perfil,( se é que pode chamar essa mulher de perfil ne) existem bom militares, excelentes soldados que honram a farda, ela ja estaria presa faz tempo, mas como estamos na republica democratica dos bananas, onde a justica nunca faz nada, pacencia ne

  • bruna vieira
    11 Jul 2019 às 17:45

    que a justiça seja feita, e esta torturadora pague pelo que fez!

  • MANÉ DUVIDOSO
    11 Jul 2019 às 11:56

    100% TA CHEIRANDO UMA BELA DE UMA (PIZZA CALABREZA) "Onde a PATENTE" está uma ESTRELA protege a OUTRA.

Sitevip Internet